20/11/2020 09h18 - Atualizado em 20/11/2020 09h19

Partidos tradicionais de SC perdem prefeituras e abrem espaço a novas siglas

Confira os partidos que mais ganharam e os que mais perderam prefeituras nestas eleições em relação a 2016

PUBLICIDADE
PSD conseguiu prefeituras importantes como Palhoça, de Eduardo Freccia, Chapecó, Lages e São José, mas é o partido que mais perdeu prefeituras em relação a 2016 (Foto: Divulgação)

PSD conseguiu prefeituras importantes como Palhoça, de Eduardo Freccia, Chapecó, Lages e São José, mas é o partido que mais perdeu prefeituras em relação a 2016 (Foto: Divulgação)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

O primeiro turno das eleições municipais 2020 trouxe resultados distintos para os 15 partidos que comandarão pelo menos uma prefeitura a partir de 2021. O MDB elegeu prefeitos em 96 cidades catarinenses. A exemplo de eleições anteriores, é o partido com maior número de prefeituras. Em segundo lugar, está o PP, com 52. Logo atrás vêm PSD (42), PSDB (32) e PL (27). Mas, desses cinco primeiros, apenas o PP e o PL conseguiram ampliar o número de municípios conquistados em relação à eleição de 2016.

 

A desidratação dos maiores abriu espaço para novas siglas conquistarem algumas prefeituras. É o caso de PSL (13 cidades), Republicanos (2), Podemos (2), PSC (1), Patriota (1) e pode ser o caso do NOVO, se vencer o segundo turno em Joinville.

125210082_1066422703793326_7481167902193874946_o_4

O partido que mais perdeu prefeituras em relação às eleições de 2016 foi o PSD. Foram conquistadas 18 a menos neste pleito. Ainda assim, o partido do ex-governador Raimundo Colombo conquistou cidades importantes, como Itapema, São José, Chapecó, Palhoça, Lages e Rio do Sul. E pode acrescentar mais uma prefeitura à lista, justamente a maior delas, caso vença o segundo turno em Joinville.

 

125210082_1066422703793326_7481167902193874946_o_4

PT e PSB perderam, cada um, 9 cidades, tornando a representatividade da centro-esquerda mais fraca no Estado. O Partido dos Trabalhadores encolheu o domínio de 20 para 11 prefeituras. Restaram 8 pequenos municípios no Oeste, um na Grande Florianópolis e outro no Sul. Já o PSB teve a redução mais drástica, saindo de 10 e ficando com apenas um: Imbituba, no Litoral Sul. A principal perda foi Balneário Camboriú, porque o candidato do partido em 2016, Fabricio Oliveira, se reelegeu, mas agora sob a sigla do Podemos.

 

Na outra ponta, os que mais cresceram nestas eleições foram o PL, com mais 15 prefeituras, e o PSL, que registrou 13. O Partido Liberal ainda pode confirmar mais uma na conta, Anita Garibaldi, na Serra, caso João Cidinei da Silva obtenha o deferimento da candidatura na Justiça Eleitoral. Já a sigla que elegeu o presidente Jair Bolsonaro e o governador Carlos Moisés da Silva ficou aquém do que se esperava da onda bolsonarista que varreu o Estado em 2018, mas se destacou porque teve saldo positivo, já que em 2016 havia ficado no zero.

 

123358286_2116605205136513_3997957097957909477_o_3


 POR: CRISTIAN EDELWEISS / DIÁRIO CATARINENSE – NSC


 Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

PUBLICIDADE