29/10/2020 15h58 - Atualizado em 29/10/2020 15h59

Hospital de Ibirama deverá manter dez leitos de UTI para tratamento de pacientes com Coronavírus

Expectativa é de que a manutenção dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva aconteça até dezembro

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Delta Ativa

O Hospital Dr. Waldomiro Colautti, de Ibirama, deverá manter os dez leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) para o tratamento de pacientes com a Covid-19. A informação foi confirmada pela diretora do HDWC, Silvana Leite da Costa.

 

A diretora do HDWC, Silvana Leite da Costa, ressaltou que conforme última orientação da Secretaria de Estado da Saúde (SES), os dez leitos devem permanecer funcionando até o mês de dezembro. “Sendo que a situação segue constantemente avaliada através da matriz de risco pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES). Ainda não temos a habilitação desses leitos, mas o processo já foi encaminhado”, explica.

 

De acordo com a taxa de ocupação do hospital, apresentado pela diretora do HDWC, 60% das UTI estavam ocupadas na terça-feira (20). “Nesta terça, estamos com 60% de ocupação na nossa UTI Covid, ou seja, 6 dos 10 leitos estão ocupados, demonstrando aumento moderado no número de internados, com relação às semanas anteriores”, explica Silvana.

 

Na sexta-feira (23), a taxa de ocupação era de cinco pacientes com Coronavírus, dos 13 leitos ocupados.

 

Desde o início da pandemia, a unidade de gestão estadual realizou no HDWC, uma série de readequações físicas e estruturais, que permitiram a criação da ala Covid.

 

Foi instalada uma tenda para pré-triagem na parte externa do hospital, implantando um novo fluxo para atendimento específico aos pacientes com sintomas respiratórios e suspeitos de Covid-19. A recepção foi reorganizada de modo que as cadeiras mantenham a distância preconizada. 

 

Além disso, horários de visitas e o número de visitantes por paciente foram alterados. Banners e cartazes em pontos estratégicos do hospital foram colocados para orientar e dar dicas de prevenção ao novo coronavírus.

 

Embora os números da pandemia estejam em queda, ainda há́ necessidade de cuidado e atenção de todos, explica a diretora do hospital, Silvana Leite da Costa. “Todas essas ações trazem ganho à assistência hospitalar da unidade, garantindo atendimento de qualidade aos pacientes. Vamos atuar cada vez mais e melhor em prol da saúde das pessoas, pois esse é o nosso propósito”, afirma Silvana, que acrescenta que teve o apoio de todos os setores do hospital, da Secretaria de Estado da Saúde, Associação de Voluntários e comunidade.

 

A  unidade atende à população de 80 mil pessoas dos municípios de Ascurra, Apiúna, Ibirama, José Boiteux, Presidente Getúlio, Vítor Meirelles, Witmarsum, Dona Emma Lontras e Presidente Nereu, que sobrecarregam a UTI do Hospital Regional Alto Vale, em Rio do Sul.

 

PRORROGAÇÃO

 

A manutenção das habilitações dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) usados no tratamento de Covid-19 no Estado foi sinalizada pelo secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, que recebeu a informação de que havia, por parte do Governo Federal, o interesse em manter todos os leitos de UTI/Covid-19 no território catarinense.

 

Além disso, dos leitos de terapia intensiva solicitados pelo estado de Santa Catarina,  outros124 estão sendo habilitados.  O investimento nas unidades hospitalares catarinenses será de R$ 17,8 milhões. “É importante ressaltar que o Estado segue atuante e estamos, neste momento, garantindo a manutenção de leitos para tratamento da Covid-19. Igualmente, nossa estratégia também visa garantir os leitos para as cirurgias eletivas que deixaram de ser realizadas durante a pandemia”, destacou Ribeiro.

 

A prorrogação foi feita pelo Governo Federal por meio do Ministério da Saúde. As portarias foram publicadas no Diário Oficial da União, nos dias, 8, 9 e 14 de outubro.

 

Estado de calamidade pública até 31 de dezembro

 

estado de calamidade pública declarado em Santa Catarina em decorrência da pandemia de Covid-19, em 17 de abril deste ano, foi prorrogado até 31 de dezembro de 2020. A decisão está prevista no Decreto 890/2020 do Governo, publicado nesta quarta-feira, 14, no Diário Oficial do Estado (DOE) e já está em vigor. 

 

Pelo texto, enquanto perdurar o estado de calamidade pública tornam-se obrigatórias as medidas de combate e enfrentamento à pandemia da Covid-19 quando necessárias, como isolamento, quarentena, exames médicos e laboratoriais, entre outros. Também será mantida a estrutura de leitos de UTI, já constituída, para atendimentos de pacientes com coronavírus e o reforço na atenção primária.

 

Desde 14 de agosto ficou estabelecido pelo Decreto nº 792 que as medidas de saúde no Estado seriam implementadas conforme a classificação do grau de risco em cada região. De acordo com dados da Matriz de Avaliação de Risco Potencial para Covid-19, divulgada nesta quinta-feira, 15, 12 regiões em Santa Catarina estão classificadas em estado Grave e quatro com risco Alto em relação ao Coronavírus. 

 

POR: MARCELO ZEMKE / JORNAL VALE DO NORTE – REDE VALE NORTE DE COMUNICAÇÃO

 

Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

 

PUBLICIDADE