08/06/2021 09h19

Governo Federal não descarta prorrogar auxílio emergencial

Ministério da Cidadania diz que pagamento do benefício pode ser prolongado se houver espaço no orçamento

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

PUBLICIDADE
Delta Ativa

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

Ministério da Cidadania não descarta a prorrogação do auxílio emergencial de 2021. A pasta informou nesta segunda-feira (07) que é cogitada a extensão do pagamento desde que haja saldo remanescente no orçamento, de R$ 44 bilhões. Caberá ao governo prorrogar a vigência, segundo o artigo 15° da medida provisória (MP) 1.039/2021, que instituiu o benefício. 

 

A última parcela das quatro previstas pelo Executivo será paga em agosto deste ano. O auxílio emergencial foi criado em abril de 2020 para mitigar os impactos da pandemia aos trabalhadores informais e às pessoas em situação de vulnerabilidade.

 

Inicialmente, o valor era de R$ 600 mensais e o pagamento foi prorrogado até dezembro do ano passado, sob pressão do Congresso Nacional. Neste ano, contudo, o benefício tem um valor inferior, de R$ 150 a R$ 375.

 

Mais cedo, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que prorrogar o pagamento do benefício “não é a melhor solução” para o país. Ele defendeu a criação de um novo programa de renda para substituir o Bolsa Família.

 

 “O auxílio deve ficar entre julho e agosto [datas do pagamento da última parcela prevista nesta rodada]. Eu não acho que a melhor solução seja postergá-lo. Nós temos que ter um projeto viável para ainda antes do recesso [do Congresso, em meados de julho] votar um projeto de renda permanente, em substituição ao Bolsa Família”, disse o deputado, na abertura da 12ª edição da Bradesco BBI London Conference.


FONTE: SBT NEWS / VIA: SCC10

SIGA AS REDES SOCIAIS DA RÁDIO EDUCADORA: INSTAGRAMFACEBOOKYOUTUBE E SOUNDCLOUD.

 

PUBLICIDADE