31/03/2020 11h16 - Atualizado em 31/03/2020 11h19

Branco: O taioense craque do Avaí

Na primeira temporada pela equipe da capital catarinense, Branco anotou um dos gols mais bonitos da história da Ressacada

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Delta Ativa
Apesar de ter iniciado a carreira “tarde” (Branco profissionalizou-se aos 27 anos), Nivanor Darós, o Branco, já começou a carreira mostrando seu faro de gol. Nascido em Apiúna, viveu praticamente toda a vida em Taió. Sempre foi jogador amador, mas em 1986 recebe convite para disputar o Catarinense daquele ano pelo modesto time do Rio do Sul. Grata surpresa, tornou-se vice-artilheiro do estadual daquele ano com 16 gols anotados, o que chamou a atenção de clubes tradicionais de Santa Catarina e do Brasil. Chegava para assinar com o Guarani, de Campinas por três meses, porém a passagem pelo clube paulista foi relâmpago (2 jogos e 1 gol), como oficialmente o contrato não saía, Branco pousou em Florianópolis para assinar com o Avaí, clube que já havia demonstrado interesse no atacante antes mesmo que o Bugre.
 
 
Pelo Avaí, Branco fez 169 jogos, sendo 62 vitórias, 58 empates e 49 derrotas durante três temporadas (84 à 87). Marcou 28 gols pela equipe azurra. Sua última partida com a camisa do Leão da Ilha foi pelo estadual de 1987, em um empate em 0 a 0 contra a Chapecoense, no Estádio Índio Condá, em Chapecó. Na primeira temporada pela equipe da capital catarinense, Branco anotou um dos gols mais bonitos da história da Ressacada: uma bicicleta contra o arquirrival Figueirense, que valeu ao Leão a vitória por 2 a 1. Ele é até hoje considerado um dos maiores jogadores da história do Avaí.
 
 
 
 
Ao sair do Avaí, Branco assinou com o Antônio Prado, time da segunda divisão gaúcha, em 1988. Perambulou ainda por Hercílio Luz-SC, São Paulo-RS, Caxias, Pradense-RS, Glória-RS, Internacional/SM-RS, Guarani/BA-RS, Aimoré-RS, Pelotas-RS, Inter de Lages-SC e Concórdia, onde encerrou a carreira aos 37 anos.
 
 
Após deixar os campos profissionais, Branco retornou ao futebol amador e defendeu o União, de Taió, por mais de 20 anos, inicialmente no time principal e depois pelos veteranos, além de ter jogado futsal defendendo as cores do Panifício Taioense, empresa da qual é proprietário. Nivanor Darós é até hoje um dos maiores camisas 10 da equipe do Avaí, e o maior jogador da história do União.
 
 
Texto: Blog do Emerson Lima
 
PUBLICIDADE