12/07/2018 10h45 - Atualizado em 12/07/2018 08h54

Risco de endometriose é duas vezes maior em mulheres que comem carne vermelha regularmente

A causa da doença ainda não é totalmente compreendida

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
Yahoo!

Yahoo!

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Mulheres que comem carne vermelha duas ou mais vezes por semana, sofrem um risco mais alto de desenvolver endometriose, de acordo com uma nova pesquisa.

 

Um estudo de 22 anos, conduzido por pesquisadores do Fred Hutchinson Cancer Research Centre, revelou que mulheres que consomem carne vermelha regularmente têm uma probabilidade 56% maior de desenvolver a doença.

 

A equipe de pesquisa acompanhou 81.908 mulheres na pré-menopausa, nos Estados Unidos, entre 1991 e 2013. A cada quatro anos, as participantes completavam um questionário falando sobre seus hábitos alimentares.

 

Segundo o estudo, o consumo regular de carne vermelha pode aumentar os níveis de estrogênio no corpo, o que, como consequência, poderia desencadear a endometriose.

 

A endometriose afeta uma em cada 10 mulheres no Reino Unido [Foto: Getty]
 

Diferentemente da carne vermelha, o consumo de frutos do mar e de frango não pareceu impactar o risco de desenvolver a doença.

 

De acordo com o NHS (Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido), a endometriose é uma condição de longo prazo na qual o tecido que reveste o útero é encontrado em outras regiões do corpo. Ele pode estar presente, por exemplo, nos ovários ou nas trompas de Falópio.

 

Todos os meses, no período da menstruação, as células reagem da mesma forma que aquelas localizadas no útero, e se acumulam antes de descamarem. Isso leva a sintomas como dor pélvica, menstruações intensas, infertilidade e dor durante ou após o sexo.

 

A causa da doença – que afeta uma em cada 10 mulheres no Reino Unido – ainda não é totalmente compreendida, e infelizmente não há uma cura disponível.

 

site do NHS oferece mais informações sobre a endometriose e os tipos de tratamento disponíveis.

 

Danielle Fowler

PUBLICIDADE