29/07/2021 15h00 - Atualizado em 29/07/2021 15h01

Fogão a lenha e café: família catarinense mostra táticas para enfrentar o frio

A sensação térmica nas primeiras horas da manhã foi de -5 °C e geada apareceu em regiões de Canoinhas

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
 Foto: Maikon Costa / NDTV

Foto: Maikon Costa / NDTV

PUBLICIDADE
Delta Ativa

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

Cada um que passa pela cozinha já sabe que tem uma missão: colocar a lenha no fogão. Com o fogo aceso durante todo o dia, a casa da família Zucco, em Canoinhas, no Planalto Norte, permanece aquecida para encarar o frio que chegou, na manhã desta quinta-feira (29), a -1 °C, com sensação térmica de -5 °C.

 

Tradição que passa de geração em geração, o fogão a lenha é uma das táticas da família para amenizar o frio que já é comum na cidade, mas que nesta semana, superou as expectativas e fez a família adotar algumas técnicas, que incluem roupas, cobertas, café quentinho e, claro, a manutenção do fogo no fogão.

 

É uma tradição, desde que nasci e continua sendo. Não tem como não ter fogão a lenha na minha casa, esquenta, tira a umidade e ainda dá outro sabor para a comida”, fala o marceneiro Adir Bartolomeu Zucco, de 58 anos.

 

Nas primeiras horas desta quinta-feira (29), a mesa do café da manhã, que fica estrategicamente posicionada próxima ao fogão a lenha estava pronta com o café quente que não pode faltar durante todo o dia. “O fogão está aceso 24 horas por dia, temos lenha direito, cada um que passa pela cozinha coloca lenha e o café também, a garrafa está sempre cheia. É a única maneira de se esquentar”, diz a cabelereira Terezinha da Maia Zucco, de 50 anos.

 

Fogão a lenha, café e mais. A cabelereira conta que o pijama é sagrado e já faz parte do visual do dia. “Eu já durmo preparada com o pijama para, de manhã, colocar a roupa por cima. Toda noite troco o pijama e no outro dia coloco a roupa por cima porque não dá, a roupa está gelada de manhã, dá uma tremedeira”, fala.

 

Na noite de quarta-feira (28), as cobertas da casa foram desdobradas. O casal conta que “não esquentava de jeito nenhum” e as cobertas se acumularam na cama. “Foi muito frio, usamos uns três cobertores, estava de pijama e assim mesmo não tinha como tirar a mão para fora, tinha que recolher de novo rapidinho. Foi difícil e deu vontade de ficar até meio dia na cama”, confessa o marceneiro.

 

O café quentinho fica na garrafa durante todo o dia para aquecer a família – Foto: Maikon Costa/NDTV

O café quentinho fica na garrafa durante todo o dia para aquecer a família (Foto: Maikon Costa / NDTV)

O casal acordou cedo para cuidar das plantas, dos animais de estimação e sair para o trabalho e Terezinha já tinha o “look” preparado. “Costumo colocar meião, duas meias, calça, três blusas, cachecol e touca”, conta.

 

Na propriedade, os maracujás precisaram ser colhidos com antecedência e foram colocados em uma caixa em cima do fogão, para ficar em uma espécie de “estufa”. As árvores frutíferas foram cobertas com plásticos e mantas para evitar a geada. Já os animais de estimação são bem protegidos com roupas, cobertas e caminhas.

 

As árvores frutíferas da família foram cobertas para evitar a geada – Foto: Maikon Costa/NDTV

As árvores frutíferas da família foram cobertas para evitar a geada (Foto: Maikon Costa / NDTV)

O trabalho, conta a cabeleireira, fica prejudicado e, em vários dias ela sequer consegue trabalhar. O motivo? Gelo. “Quase não consigo trabalhar, o produto para descolorir o cabelo congela, não chega ao ponto e eu acabo desmarcando cliente todo ano nessa época”, explica.

 

As táticas já estão traçadas, mas a expectativa da família é de mais. “Estamos nos preparando para o fim de semana, falaram que amanhã vai ser pior”, diz a cabeleireira.

 

Na cidade, geadas foram registradas na área rural, nas localidades de Marcílio Dias e Alto da Tijuca.


POR: DRIKA EVARINI  ND+

SIGA AS REDES SOCIAIS DA RÁDIO EDUCADORA: INSTAGRAMFACEBOOK YOUTUBE

 

 
PUBLICIDADE