16/09/2020 11h00

Em “guerra” por direitos, filho de Chaves anuncia saída da Televisa

Roberto Gómez Fernandez publicou carta de despedida da rede mexicana

PUBLICIDADE
Fonte: Na Telinha (Foto: Montagem/Reprodução/SBT)

Fonte: Na Telinha (Foto: Montagem/Reprodução/SBT)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Filho do comediante mexicano Roberto Gómez Bolaños (1929-2014), criador de Chaves e Chapolin, Roberto Gómez Fernández anunciou sua saída da rede mexicana Televisa, onde produziu e dirigiu novelas e outras atrações durante quase quatro décadas.

 

O profissional de TV, que cuida do legado do pai como administrador do Grupo Chespirito, está em “guerra” com a Televisa pelos direitos de Chaves, que saiu do ar em todo o mundo em 31 de julho por imposição contratual.

 

“Por este meio, quero comunicar que, depois de uma longa e extraordinária história, a partir de hoje deixo de fazer parte da Televisa. Foi uma decisão muito difícil, por tudo que representou na minha vida. Trabalhei na Televisa desde os 17 anos, e a partir de amanhã, depois de 39 anos de ofício, será meu primeiro dia que não pertencerei a esta empresa”, escreveu Roberto Gómez Fernández.

 

O herdeiro de Chespirito agradeceu a ex-colegas e à direção da rede mexicana e encerrou dizendo que “de uma forma ou outra, sempre haverá um vínculo com a Televisa”.

 

No canal, Fernández trabalhou ao lado do pai no Programa Chespirito e esteve à frente de novelas como A Vida É um Jogo, exibida pelo SBT em 2007 e que tinha abertura interpretada pela banda brasileira Twister. 

 

Fora do ar

 

Os mais de 1.200 episódios de Chaves, Chapolin e do programa Chespirito pertenciam à Televisa há 45 anos, quando se fundiu ao canal 8 (TV Tim), que transmitia as séries (daí vem o nome original de Chaves, El Chavo del Ocho). Um acordo entre Bolaños e a gigante da comunicação latina revelou que esta parceria aparentemente eterna teria prazo de validade.

 

“Roberto Gómez Bolaños tinha apalavrado um contrato de usufruto dos personagens e de sua criação literária até 30 de julho deste ano, quase seis anos depois de sua morte. E não renovaram os direitos, a Televisa não quis pagar”, disse Edgar Vivar, intérprete do Sr. Barriga.

 

Em outras palavras, Bolaños estipulou uma data limite para a Televisa, produtora de seus humorísticos durante duas décadas, continuar lucrando com as reprises e exportações de Chaves. Se a rede quisesse as séries por mais tempo, teria que negociar com ele ou com seus herdeiros.

 

NaTelinha apurou que a Televisa tentou reverter o acordo firmado no passado com o criador de Chaves, e avisou ao SBT e a outros canais que exibem o programa sobre a data limite. A rede, entretanto, não obteve êxito na renovação do acordo e perdeu os direitos sobre o humorístico.

 

Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

PUBLICIDADE