14/03/2020 09h25

Do alcoolismo ao filho bastardo: 5 fatos polêmicos sobre Karl Marx

Os bastidores da vida do autor do Manifesto Comunista ainda dividem opiniões

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Delta Ativa

1.Filho Bastardo

 

Karl Marx e Jenny von Westphalen se casaram em junho de 1843. No entanto, o casamento dos dois não fazia parte de um conto de fadas. Marx não apenas tivera um caso com Helene Demuth, a governanta da família, mas engravidou a mulher durante uma viagem de sua esposa.

 

Frederick Demuth nasceu em 1851 e, graças à intervenção de Frederick Engels, o grande amigo e mecenas de Marx, foi posto para adoção. O menino cresceu e acabou ficando amigo de sua meia-irmã. Eleanor mais tarde saberia que, além de ter enganado a mãe, Marx não prestara ajuda ao menino e nem sequer tivera contato com ele.

 

2. Saúde frágil

De saúde frágil, complicada por causa do tabagismo e do álcool e também pela indisciplina na carga de trabalho, muitas vezes varando noites, Marx era um primor de desorganização e hiperatividade: o primeiro volume de O Capital, o trabalho mais importante de Marx, foi entregue com 16 anos de atraso.

 

De acordo com biógrafo de Marx, Werner Blumenberg, ele sofria de inflamação ocular, dor nas articulações e de cabeça, insônia, problemas no fígado e na vesícula biliar, e ainda possuía sintomas depressivos. Provavelmente, os problemas eram em decorrência dos maus hábitos do teórico, que trabalhava muito durante a madrugada. Uma condição conhecida como “tórax fraco”, que inflamava seus pulmões, foi o que fez com que ele não servisse no Exército e o matou aos 64 anos.

 

3. O dinheiro de Engels

 

Durante seu pouco tempo em Paris, Marx conheceu Friedrich Engels, em 1843, dando início a uma das mais importantes parcerias da História. Com o dinheiro da exploração capitalista das indústrias têxteis de seu pai, Engels ajudava Marx a desenvolver uma teoria que tinha como intuito derrubar seu próprio poder. 

 

Filho de um industrial muito rico, Engels custeava as publicações da maioria dos ensaios e livros da dupla e ainda enviava dinheiro para o outro conseguir sustentar sua família. Diferentemente do comunista, que mal conseguia manter a si e a sua família somente com o que recebia por publicações em ocasiões excepcionais.

 

4. Ele era ateu

 

Marx aceitava a ideia de que havia uma progressão clara na história humana, mas negava que isso tivesse algo a ver com a vontade divina. Tudo isso estaria determinado pelo materialismo utilizado, mais tarde, por ele em suas teorias.

 

Tornou-se, assim, um militante do ateísmo, como outros tantos estudantes e professores alemães. Defendia que o mundo material é que determinava a evolução do pensamento humano, e não o contrário.

 

5. Morreu apátrida

 

Por mais que tentasse se estabelecer em algum país, Marx foi expulso de muitas nações ao longo de sua trajetória. Em 1848, pouco tempo depois de publicar juntamente com Engels o famoso Manifesto do Partido Comunista, o filósofo foi expulso da Bélgica, principalmente devido ao potencial revolucionário do documento.

 

Ele também foi expulso de outros locais na Europa, como França e Prússia. Não suficientemente: teve que sair duas vezes do território francês devido a polêmicas envolvendo suas publicações. O comunista morreu na Inglaterra como apátrida, depois de muitas mudanças.

 

Fonte: Aventuras na História

PUBLICIDADE

2 resposta para Do alcoolismo ao filho bastardo: 5 fatos polêmicos sobre Karl Marx

  1. Pedro Nogueira17 de março de 2020 às 09:31

    Esquerdismo é uma doença mental
    A Mente Esquerdista. As Causas Psicológicas da Loucura Política, de Lyle H. Rossiter
    Liberal Mind traz o primeiro exame profundo da loucura política mais relevante em nosso tempo: os esforços da esquerda radical para regular as pessoas desde o berço até o túmulo. Para salvar-nos de nossas vidas turbulentas, a agenda esquerdista recomenda a negação da responsabilidade pessoal, incentiva a autopiedade e outro-comiseração, promove a dependência do governo, assim como a indulgência sexual, racionaliza a violência, pede desculpas pela obrigação financeira, justifica o roubo, ignora a grosseria, prescreve reclamação e imputação de culpa, denigre o matrimônio e a família, legaliza todos os abortos, desafia a tradição social e religiosa, declara a injustiça da desigualdade, e se rebela contra os deveres da cidadania. Através de direitos múltiplos para bens, serviços e status social não adquiridos, o político de esquerda promete garantir o bem-estar material de todos, fornecendo saúde para todos, protegendo a autoestima de todos, corrigindo todas as desvantagens sociais e políticas, educando cada cidadão, assim como eliminando todas as distinções de classe. O esquerdismo radical, assim, ataca os fundamentos da liberdade civilizada. Dadas as suas metas irracionais, métodos coercitivos e fracassos históricos, juntamente aos seus efeitos perversos sobre o desenvolvimento do caráter, não pode haver dúvida da loucura contida na agenda radical. Só uma agenda irracional defenderia uma destruição sistemática dos fundamentos que garantem a liberdade organizada. Apenas um homem irracional iria desejar o Estado decidindo sua vida por ele, ao invés e criar condições de segurança para ele poder executar sua própria vida. Só uma agenda irracional tentaria deliberadamente prejudicar o crescimento do cidadão em direção à competência, através da adoção dele pelo Estado. Apenas o pensamento irracional trocaria a liberdade individual pela coerção do governo, sacrificando o orgulho da auto-suficiência para a dependência do bem-estar. Só um louco iria visualizar uma comunidade de pessoas livres cooperando e ver nela uma sociedade de vítimas exploradas pelos vilões.

  2. Pedro Nogueira17 de março de 2020 às 09:23

    O comunismo morreu de Maduro. As idéias socialistas do louco Marx levou diretamente à morte (por homicídio, fome, doença e frio) de 100 milhões de seres humanos ao longo de um século, ao encarceramento de dezenas de milhões de pessoas na Rússia, China, Vietnã, Camboja e Coreia do Norte e na opressão de outras centenas de milhões mundo a fora, mas toda essa carnificina e sofrimento não desestimula aqueles que fazem parte da moderna esquerda ocidental de abraçar o seu legado de sangue. O Esquerdismo, sintoma de uma doença mental grave, avança a passos largos sobre a massa de ignorantes.
    Esquerdismo com certeza é o pior mal do milênio, para quem quiser se aprofundar e saber mais sobre essa doença sugiro o livro “A Mente Esquerdista – As Causas Psicológicas da Loucura Política” do psicanalista americano Lyle Rossiter.