10/09/2019 16h35 - Atualizado em 10/09/2019 14h01

Prefeitura de Presidente Getúlio faz B.O. após suspeita de referência ao fascismo em cartazes

Faixa foi colocada por duas pessoas encapuzadas

PUBLICIDADE
G1 SC

G1 SC

PUBLICIDADE
Delta Ativa

A Prefeitura de Presidente Getúlio, no Vale do Itajaí, registrou um boletim de ocorrência (B.O.) nesta segunda-feira (9) após uma faixa e dois cartazes com suspeita de alusão ao fascismo serem colocadas no portal de turismo da cidade na madrugada de sábado (7). O diretor de Turismo do município, Amadeu Gonçalves, afirma que os infratores foram filmados por câmeras de segurança.

 

O material colocado é um banner vertical e dois cartazes em folha A4, informou o diretor. “As pessoas viram e mandaram imagens para nós [prefeitura]. Mobilizamos duas pessoas para retirar. Temos sistema de vigilância e foi possível flagrar duas pessoas na colocação da faixa”, diz ele.

 

 

Cartaz com referência ao fascismo é colado no portal turístico de Presidente Getúlio — Foto: DivulgaçãoCartaz com referência ao fascismo é colado no portal turístico de Presidente Getúlio — Foto: Divulgação

Cartaz com referência ao fascismo é colado no portal turístico de Presidente Getúlio — Foto: Divulgação

 

 

Foi feito boletim de ocorrência por dano ao patrimônio público e pela suspeita de referência ao fascismo. “Pularam a porteira do portal turístico um pouquinho antes das 4h da manhã e instalaram esse banner na sacada”, relata o diretor. Ele afirma que os dois infratores estavam encapuzados.

 

A investigação deve ser feita pela Polícia Civil. A Delegacia de Presidente Getúlio confirmou na tarde desta segunda que foi feito o boletim de ocorrência, mas ainda não havia sido aberto o inquérito.

 

Entendimento da lei

O presidente da Comissão do Direito à Memória, à Verdade e à Justiça da Ordem dos Advogados do Brasil em Santa Catarina (OAB/SC), Samuel Martins, explica que “a regra na democracia é a liberdade de expressão. Importa destacar, no entanto, que o Pacto São José da Costa Rica, no seu artigo 13, faz referência à vedação e proibição de discursos que tenham apologia à violência, ao ódio por motivo nacional, religioso e étnico. De modo que não existe liberdade de expressão absoluta. Ela é reconhecida desde que não se caracterize como esses elementos como discurso de ódio”.

 

Ele também afirma que o pacto tem força de lei no Brasil e “tem uma posição superior por ser um tratado sobre direitos humanos”.

PUBLICIDADE