19/11/2019 11h20 - Atualizado em 19/11/2019 11h23

Reforços de R$ 39 milhões somam menos de 50 jogos e nenhum gol pelo Santos em 2019

Lista com seis atletas é quase metade dos jogadores contratados pelo clube na temporada

PUBLICIDADE
Globo Esporte

Globo Esporte

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Santos contratou 14 jogadores nesta temporada, mas quase a metade deles foi pouco utilizada por Jorge Sampaoli. Cueva, Uribe, Pará, Luan Peres, Lucas Venuto e Jobson somam 49 partidas disputadas, um investimento de cerca de R$ 39 milhões e nenhum gol.

 

O peruano Cueva é responsável pela maior parte deste valor e é, entre os jogadores desta relação, o que mais chances teve: foram 17 partidas.

 

 

Contratado em fevereiro por cerca de US$ 7 milhões (aproximadamente R$ 29 milhões na cotação atual) – valor que será parcelado pelos próximos anos –, Cueva é a maior fonte de polêmicas do elenco do Santos.

 

As atuações ruins primeiro o colocaram no banco e, depois, fora da lista de relacionados – era sempre o escolhido para ser cortado no limite de cinco estrangeiros por jogo.

 

Em setembro, envolveu-se numa confusão em uma boate de Santos e foi afastado do grupo. Atualmente, treina com jogadores que não são utilizados por Sampaoli.

 

 

Cueva foi apresentado no Santos em fevereiro; fez só 17 jogos no ano — Foto: Ivan Storti/Santos FCCueva foi apresentado no Santos em fevereiro; fez só 17 jogos no ano — Foto: Ivan Storti/Santos FC

Cueva foi apresentado no Santos em fevereiro; fez só 17 jogos no ano — Foto: Ivan Storti/Santos FC

 

O Santos tenta negociá-lo desde o meio do ano, mas esbarrou na intransigência do Krasnodar, da Rússia, que até o fim de janeiro é o dono dos direitos do meia – o vínculo atual com os brasileiros é de empréstimo, que se torna definitivo a partir do pagamento da primeira parcela, em fevereiro.

 

 

O Krasnodar, receoso de um calote, travou negociações com o América, do México, que pretendia levar Cueva. O Santos torce para que os mexicanos mantenham interesse para vender Cueva no começo do próximo ano.

 

Não à toa, o presidente José Carlos Peres pediu “bom senso” a Sampaoli para que escale Cueva na reta final do Brasileiro, uma tentativa de colocá-lo novamente em vitrine num novo esforço para encontrar interessados. O argentino não parece disposto a conceder.

 

Uribe foi contratado em maio, por R$ 5 milhões, e chegou sob grande expectativa em um time que desde o início do ano buscava um centroavante a pedido de Sampaoli. O colombiano, que assinou contrato até 2022, desperdiçou as 11 chances que teve e não conseguiu superar Eduardo Sasha, artilheiro do Santos no Brasileiro com 12 gols.

 

Uribe foi contratado sob expectativa, mas não marcou gols no Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FCUribe foi contratado sob expectativa, mas não marcou gols no Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

Uribe foi contratado sob expectativa, mas não marcou gols no Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

 

 

Destaque do Paulista, quando defendeu o RB Brasil, o volante Jobson foi contratado ao fim do estadual por R$ 4 milhões. Sua chegada pouco empolgou o técnico argentino, que lhe deu a primeira oportunidade apenas em outubro, após seis meses na Vila Belmiro. Desde então, fez só mais dois jogos.

 

Pará, Luan Peres e Lucas Venuto foram os últimos a chegar ao Santos, em agosto. Destes, só a contratação de Luan Peres teve custo, cerca de R$ 1 milhão por um empréstimo até o final da próxima temporada – o zagueiro, que também joga na lateral esquerda, fez seis partidas.

 

Lucas Venuto entrou em campo só quatro vezes, sempre saindo do banco. Pará, que fez parte do time tricampeão da Libertadores em 2011 e voltou neste ano, chegou a conquistar uma vaga entre os titulares, mas perdeu posição na última rodada, contra o São Paulo, para Victor Ferraz. Tem oito jogos no ano.

 

Outros oito jogadores foram contratados neste ano pelo Santos: Everson, Felipe Aguilar, Jorge, Felipe Jonatan, Evandro, Soteldo, Marinho e Jean Lucas – o último já deixou o clube, hoje no Lyon, da França.

 

Everson, Jorge, Soteldo e Marinho são titulares absolutos de Sampaoli, enquanto Evandro e Felipe Jonatan jogam com frequência. Aguilar começou o ano bem, mas caiu de rendimento e pouco tem entrado em campo.

 

Estima-se que o Santos tenha gastado cerca de R$ 80 milhões para reforçar o time nesta temporada. A bonança de 2019 não deve se repetir no ano que vem.

 

Tanto o presidente José Carlos Peres como o superintendente de futebol Paulo Autuori já declararam que o clube não terá condições de fazer grandes investimentos em 2020 e que Sampaoli, se permanecer no cargo, precisará lapidar jovens das categorias de base para o time profissional.

 

Na terceira posição do Campeonato Brasileiro, o Santos tem vaga na primeira fase da Libertadores do ano que vem. No sábado, enfrenta o Cruzeiro, às 21h, na Vila Belmiro, e pode confirmar lugar direto na fase de grupos do torneio continental.

PUBLICIDADE