01/10/2019 17h00 - Atualizado em 01/10/2019 10h49

Ayrton Senna salvou “match point” em Jerez de la Frontera com atuação dominante há 30 anos

Brasileiro alcançou o "Grand Chelem" ao conquistar a 40ª pole position na Fórmula 1 e vencer de ponta a ponta com direito à volta mais rápida

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Delta Ativa

Há 30 anos, no dia 1º de outubro de 1989, Ayrton Senna conseguiu uma categórica vitória no circuito de Jerez de la Frontera para adiar a decisão daquele campeonato para as últimas duas corridas da temporada. Foi o que se chama de atuação perfeita, com pole position, volta mais rápida e vitória de ponta a ponta.

 

Precisando vencer as últimas três corridas da temporada para derrotar o rival Alain Prost, Senna aniquilou a concorrência durante todo o fim de semana. Nos treinos classificatórios, o brasileiro ficou 0s274 à frente do segundo colocado Gerhard Berger (Ferrari) e com 1s077 de vantagem sobre o “companheiro” francês. Era a 40ª pole position do brasileiro.

 

Senna largou com perfeição e, ao contrário do que ocorrera no Estoril, não deu chances a Berger na disputa pela liderança. Apesar de ter mantido a ponta, o brasileiro só não conseguiu despachar o piloto da Ferrari nas primeiras voltas. Porém, como os dois não eram ameaçados por Prost, que não se encontrou em nenhum momento do fim de semana, Ayrton controlava o ritmo.

 

Só a partir da 20ª de 73 voltas foi que Senna começou a se distanciar mais, preparando uma troca de pneus. Prost foi o primeiro a parar, mas não conseguiu grandes progressos com pneus novos. Berger e Senna fizeram os pit stops nas voltas 27 e 28 e voltaram nas duas primeiras posições. Ali os dois abriram definitivamente uma grande vantagem sobre o francês.

 

Com o segundo jogo de pneus, Senna aumentou bastante o ritmo, sobretudo a partir da 40ª volta, quando respirou em relação a Berger. Como sempre, o brasileiro partia com muita decisão para cima dos retardatários. A volúpia de Senna no tráfego era tão grande, que uma fechada de Philippe Alliot deixou o brasileiro transtornado como se viu pela câmera onboard do carro.

 

Mesmo com esse susto, Senna aumentou de cinco para 15 segundos a diferença entre as voltas 40 e 50, o que decidiu a corrida. A esta altura, já sem chances de vencer, Prost fazia corrida burocrática em terceiro lugar, a mais de 40 segundos do líder.

 

Na parte final da corrida, tanto Senna como Berger tiveram seus contratempos: o brasileiro passou a ter dificuldades com os freios e teve de reduzir para as curvas com mais cuidado, enquanto o austríaco via seu carro soltar fumaça nos trechos de aceleração.

 

Naquele momento, uma quebra de Senna daria o tricampeonato a Prost, já que apenas a vitória interessava ao brasileiro nas três corridas finais. Mas Ayrton conduziu com calma seu carro nas voltas finais para chegar à sexta vitória em 1989 contra quatro de Prost.

 

Senna cruzou a linha de chegada com 27 segundos de vantagem sobre Berger, com Prost em terceiro a 53 segundos. Com um fortes dores, o brasileiro deixou o carro mancando muito mas conseguiu subir ao pódio:

 

– Foi muito difícil! Senti dor nas costelas, no lado direito e no nervo ciático. Na pista, a pressão de Berger não me permitiu salvar os pneus como eu esperava. Depois da minha parada, no entanto, o comportamento melhorou significativamente. Mas outros três problemas se apresentaram, com um câmbio frouxo, uma falta de pressão dos freios e a quebra do meu computador de bordo, o que me privou de qualquer informação.

 
 
PUBLICIDADE