13/09/2018 11h30 - Atualizado em 13/09/2018 09h12

Mãe de um bebê fotografado junto às cinzas de seu irmão gêmeo fala sobre sua dor

Cherie descobriu, com 20 semanas, que Johnny tinha falecido

PUBLICIDADE
Yahoo!

Yahoo!

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Uma mãe, arrasada, fala de sua dor, depois de tocar na foto de seu filho, Tiger, posando ao lado das cinzas de seu irmão gêmeo falecido. A foto foi premiada, e a mãe disse que, embora esteja extremamente orgulhosa, nunca vai esquecer a dor de perder um filho.

 

A mãe neozelandesa Cherie Ayrton descobriu no seu ultrassom de 5 meses que um de seus gêmeos, Johnny, havia falecido, de acordo com o site Stuff, da Nova Zelândia. Ela o carregou até o fim e deu à luz ao natimorto. Caso contrário, seu irmão gêmeo, Tiger, não teria sobrevivido.

 

Uma foto de Tiger deitado ao lado das cinzas de seu irmão – com os dois conectados através de um cordão umbilical simbólico, feito de tecido – ganhou o maior prêmio na categoria recém-nascido no Prêmio de Mestres de Fotografia 2018, uma mostra de fotografia internacional. A fotógrafa Sarah Simmons, residente em Wellington, capturou o momento incrível.

 

Cherie disse que embora estivesse feliz por Sarah Simmons e ‘muito orgulhosa’ da imagem, o interesse na foto trouxe a ela muitas memórias traumáticas.

 

“Os últimos dias tem sido muito emotivos e trouxeram de volta vários sentimentos e memórias a respeito do que eu passei e continuo passando”, conta Cherie ao Yahoo Lifestyle.

 

“Eu também estou muito orgulhosa e honrada pelos compartilhamentos, devido ao talento incrível de Sarah. Estou muito feliz por ela e pelo seu sucesso”, disse ela. “Gosto de saber que a memória do meu filho pode ajudar outras famílias a passar pelas suas próprias jornadas.”

 

Cherie Ayrton diz que acredita haver a necessidade de uma conversa mais aberta a respeito dos natimortos. (Foto: Cortesia de Sarah Simmons)
 

Cherie descobriu, com 20 semanas, que Johnny tinha falecido, sem os médicos conseguirem dizer porque isso aconteceu.

 

“Se eu quisesse fazer testes eu poderia, mas correria o risco de entrar em trabalho de parto e perder o Tiger também. Então, claro, não fizemos nada”, disse ela.

 

“Eu tive que carregar [Johnny] até o parto. Foi uma experiência muito traumatizante, porque tivemos que o ver, através de uma tela de TV e ultrassons, ele se despedaçando lentamente”, disse Cherie. “Foi horrível, eu me senti como um caixão temporário. Essa é a única maneira que eu consigo explicar.”

 

Cherie acredita que não se fala o suficiente sobre os natimortos e que ela se conforta pelo fato de que a sua dor pode ajudar outras pessoas a se sentirem melhor.

 

“Eu tenho tentando aumentar a conscientização sobre esse tipo de perda, desde o ocorrido, por isso estou feliz por essa bela imagem estar sendo compartilhada”, disse ela. “Com sorte, minha dor pode ajudar outras pessoas. É uma jornada solitária, se ninguém fala a respeito disso”.

 

Sarah Carty

PUBLICIDADE