21/09/2020 15h28

Setembro Amarelo: 400 pessoas cometeram suicídio em Santa Catarina neste ano

Mês é dedicado a discutir e despertar o alerta sobre a importância de falar sobre saúde mental; para especialista, diálogo é fundamental

PUBLICIDADE
Segundo a OMS, nove em cada 10 mortes por suicídio podem ser evitadas (Foto: Ricardo Wolffenbuttel/Secom)

Segundo a OMS, nove em cada 10 mortes por suicídio podem ser evitadas (Foto: Ricardo Wolffenbuttel/Secom)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

 

Com a chegada do mês de setembro, um assunto, que ainda é considerado tabu, volta a ter destaque: o suicídio. Os casos atingem todas as idades, gêneros e classes sociais.

 

Por isso falar sobre o assunto é necessário não só para reduzir os casos, mas também para despertar o alerta sobre a importância de falar sobre saúde mental.

 

Segundo dados do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) do Ministério da Saúde, repassados ao nd+ pela Dive/SC, só em 2020, 400 pessoas já morreram vítimas de suicídio em Santa Catarina. No mês de março foram 72 vidas perdidas.

 

Entre as vítimas, a maioria se concentra na faixa etária entre 20 e 59 anos e são do sexo masculino.

 

Outro dado que aponta o aumento no índice são as tentativas, ou seja, aquelas que não terminaram em morte. Em 2020 já são 2.678 casos. Desses, 764 são de jovens entre 20 e 29 anos.

 

Separadas por regiões, a situação também é preocupante. Em 2020, no Nordeste do Estado, onde fica Joinville, 43 pessoas cometeram suicídio. Se somado ao total de 2019, em dois anos foram 132 vítimas.

 

Com números tão preocupantes, o diálogo é fundamental nesse momento, principalmente para identificar sinais que levam as pessoas a tomarem tal atitude.

 

O QUE LEVA A PESSOA A COMETER SUICÍDIO?

 

Segundo a psicóloga clínica Alessandra de Sá, são inúmeros os fatores que levam as pessoas a desenvolverem pensamentos suicidas, principalmente se o paciente já tem alguma doença mental pré-existente.

 

“Aspectos relacionados a perdas recentes, exposição a violência familiar, isolamento social, stress, desespero, bullying, histórico de abuso físico, são alguns dos fatores que muitas vezes contribuem para que os pensamentos suicidas surjam”, explica.

 

O contexto social também pode estar relacionado ao sentimento, principalmente em questões que envolvem situações de vulnerabilidade. Outro fator que vem influenciando nos últimos meses é a pandemia do novo coronavírus.

 

“Se a pessoa já apresenta algum transtorno mental ou já vinha em um quadro depressivo, esse isolamento acaba reforçando esses pensamentos”, salienta a psicóloga.

 

ATENÇÃO AOS SINAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

 

Casos entre crianças e adolescentes também vêm sendo registrados. Em 2020, 24 das vítimas de suicídio no Estado tinham idade entre 10 e 19 anos. Já entre as tentativas, 550 casos foram registrados envolvendo a mesma faixa etária.

 

Segundo Alessandra, a situação envolvendo crianças e adolescentes é extremamente delicada, principalmente por ser a fase em que aumentam as mudanças no corpo e na rotina.

 

“A adolescência, por exemplo, acaba sendo uma fase bem desafiadora, já que eles estão naquele momento em que buscam encontrar seu lugar no mundo. Por isso, é importante que toda a rede familiar e escolar fique atenta aos sintomas, para evitar uma tragédia”, explica.

 

SOLAMENTO E TRISTEZA CONSTANTE SÃO SINAIS DE ALERTA

 

Alessandra explica que há três sinais básicos que ajudam a identificar se a pessoa está ou não pensando em suicídio: fala, humor e comportamento.

 

“Por exemplo, quando a pessoa diz que se sente um fardo, que está passando por uma dor insuportável, são sinais de que ela está precisando de ajuda. Quando a gente fala em humor, os indícios são tristeza prolongada, perda de interesse, raiva e instabilidade”, conta.

 

Além disso, a psicóloga reforça que a intensidade desses sentimentos atrapalham a qualidade de vida da pessoa, refletindo no comportamento dela.

 

“Por fim, quando se fala em comportamento é bom ficar atento no aumento no consumo de álcool e outras drogas, abandono de atividades, falta de sono, entre outros. Outro fator que se deve ficar atento é a possíveis ligações ou visitas a conhecidos com tom de despedida”, enfatiza.

 

DIÁLOGO É FUNDAMENTAL

 

Uma das principais medidas para prevenir o suicídio é procurar ajuda profissional. Na rede pública de saúde, por exemplo, o acolhimento de pessoas com transtornos mentais ocorre por meio das unidades básicas de saúde.

 

Além disso, o Estado também conta com 110 Caps (Centro de Atenção Psicossocial) em diversos municípios e de diferentes modalidades. Em Joinville, por exemplo, a rede pública de saúde dispõe de quatro unidades para atendimento.

 

Nessas estruturas são atendidas pessoas que vêm em demanda espontânea, entre elas as que têm distúrbio psiquiátrico, pensamento suicida e passaram por tentativa de suicídio.

 

O CVV (Centro de Valorização da Vida) também é um importante aliado. O serviço oferece apoio emocional gratuitamente de forma voluntária, 24 hora por dia, pelo telefone no 188, e-mail ou chat no site da instituição. São mais 4 mil voluntários em todo o país.

 

“Ao entrar em contato com a gente, a pessoa vai ser acolhida e nós vamos ouvi-la. Geralmente essas pessoas não tem com quem conversar,então elas nos procuram para falar suas angústias”, explica a voluntária do CVV de Joinville, Marlene Catão.

 

Durante todo o mês de setembro, o serviço divulgará palestras no seu canal do Youtube a fim de discutir o assunto.

 

Além disso, Alessandra reforça que o diálogo também é fundamental.

 

“Expor o que você está percebendo que a pessoa está passando por um momento delicado é muito importante para que ela veja que não está sozinha. É importante esse diálogo para desmistificar o assunto”, finaliza.

 

d3eb59edf2d708a1d30ded5a3689a234b24e050f-1-656x800

 

SETEMBRO_AMARELO_02-614x800

 

SETEMBRO_AMARELO_01-682x800

 

FONTE: ND+

 

Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

PUBLICIDADE