14/10/2021 14h24

Santa Catarina enfrenta aumento de 75% nos focos do mosquito da dengue

A maior parte dos municípios infestados pelo mosquito da dengue estão no Oeste e Litoral Norte de Santa Catarina; entenda os motivos

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
PUBLICIDADE

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

Santa Catarina passa por um novo aumento no número de focos do mosquito da dengue nos últimos anos. Entre janeiro e outubro de 2021, o Estado registrou um aumento de 75% quando comparado com o período em 2020. A maior parte dos municípios infestados pelo mosquito estão no Oeste e Litoral Norte catarinense.

 

Municípios infestados são aqueles que têm a presença do Aedes aegypti e o mosquito se mantém ao longo dos meses. No ano passado, o número de cidades infestadas era 103 e aumentou para 118 em 2021. As informações são do boletim epidemiológico lançado em outubro pela Dive.

 

Causas do aumento

 

Com a infestação nas maiores cidades, os municípios ao redor foram sendo pressionados e também infestados pelo Aedes aegypti. O diretor da Dive/SC,João Augusto Brancher Fuck, explicou a situação em entrevista.

 

Têm as condições climáticas, a dificuldade em realizar algumas ações e um descuido da população”. Todos esses fatores contribuem para o aumento na região, das cidades maiores para as menores.

 

Oeste e Litoral Norte

 

Segundo o diretor da Dive/SC, o grande número de cidades infestadas no Oeste pode ser explicado por ser a primeira região a identificar infestação. Chapecó, São Miguel do Oeste e Pinhalzinho estão entre os primeiros municípios afetados em Santa Catarina.

 

Com o tempo outras cidades foram infestadas, impulsionadas pela presença constante do mosquito nas cidades polos. “Por serem os primeiros municípios a se tornarem infestados acabou contribuindo para que toda a região acabasse infestada”, explica.

 

O Litoral Norte segue um caminho parecido, com o alto número de circulação de produtos e pessoas entre as cidades grandes e pequenas infestando toda a região.

 

São municípios muito próximos e a gente têm uma circulação grande de pessoas e mercadorias. Isso acaba contribuindo para a dispersão naquela região”.

 

Riscos e ações

 

Mais municípios com focos aumentam o risco de ter mais pessoas infectadas, explica João. “A presença do mosquito traz o risco de ter transmissão de dengue, chikunguya e zika vírus, o que pode levar a uma epidemia”, lembra Fuck.

 

Foram quase 19 mil casos de dengue registrados em 2021. “Isso que vimos no Estado em 2021, comparado a 2020, foi um aumento no número de casos. E, claro, sinaliza o aumento das ações”, reforça.

 

A preocupação começa agora com o objetivo de controlar a doença em 2022. O período sazonal, mais propício para a proliferação do Aedes aegypti, acontece entre novembro e fevereiro.

 

É o momento das equipes municipais olhar, intensificar e reforçar as ações para quando chegar no período sazonalidade para que a gente tenha uma situação melhor e consiga refletir em não ver novos surtos e epidemias acontecendo”, completa o diretor.


Por: Erika Artmann / ND+

PUBLICIDADE