31/10/2020 09h41

Governo de SC prevê R$ 89 milhões com manutenção de rodovias em 2020

Apesar disso, o investimento ainda está aquém dos R$ 120 milhões prometidos no início do Projeto Recuperar

PUBLICIDADE
Foto: Ricardo Wolffebüttel/Secom

Foto: Ricardo Wolffebüttel/Secom

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Durante participação em um encontro virtual realizado pela Federação das Indústrias de SC (Fiesc) realizado nesta quinta-feira (29), o secretário de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, Thiago Vieira, informou que Santa Catarina já gastou R$ 60 milhões em manutenção da malha rodoviária em 2020. Os recursos são provenientes do Projeto Recuperar, lançado pelo Governo do Estado no ano passado.

 

O investimento neste ano já é cinco vezes maior que os R$ 11,8 milhões gastos no ano passado, quando o governo do Estado executou apenas 16% do prometido. Na época, o Executivo justificou a falta de investimentos por questões burocráticas, como atraso em documentações e formações de consórcios entre os municípios.

 

Até o fim de 2020, a previsão da Secretaria é de gastar chegar a R$ 89 milhões em manutenção e prevenção da malha rodoviária, com obras de tapa-buracos, roçadas e pequenos reparos. Apesar disso, o investimento ainda está aquém dos R$ 120 milhões prometidos no início do Projeto Recuperar.

 

“Tivemos que resolver questões internas da própria estrutura da Secretaria em 2019, o que atrasou os investimentos. Agora estamos realizando os investimentos de forma gradual. Até temos os recursos, mas estamos tendo dificuldade para encontrar empresas para executar as obras, por isso esses investimentos estão sendo feitos aos poucos”, explicou Vieira. 

 

Cobrança

 

Durante a reunião, a Fiesc cobrou o governo do Estado e o Governo Federal, representado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, (DNIT) para mais investimentos nas rodovias catarinenses. Segundo a entidade, o principal gargalo está na BR-101.

 

“Essa é uma realidade que cada dia nos preocupa mais. A BR-101 tem uma importância fundamental para SC. Isso impacta em todos os setores, causando prejuízo para toda Santa Catarina. Sai mais barato pagar um pouco a mais no pedágio do que arcar com os prejuízos que as condições atuais da rodovia empregam”, destacou o presidente da entidade, Mario Cezar de Aguiar. 

 

Entre as sugestões feitas pela Federação para melhorias na BR-101 está a implantação do modelo de free flow, a expansão do prazo de concessão e o aumento da velocidade permitida. Outra bandeira levantada foi a necessidade de encarar a BR-101 não como uma rodovia, mas sim como um corredor multimodal, integrando os investimentos rodoviários com ferrovias e melhorando a infraestrutura dos portos.

 

No encontro, o presidente da Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística de SC (Fetrancesc), Ari Rabaiolli, também cobrou investimentos na logística catarinense. Entre as sugestões feitas por Rabaiolli, estão a duplicação da BR-470, a criação de contornos viários entre Barra Velha e Porto Belo, e Rio Negrinho e São Bento do Sul, e também acelerar o processo de concessão da aduana em Dionísio Cerqueira, pois, segundo ele, “os transportadores ficam dias parados por conta da precariedade do atendimento”.

 

FONTE: REDE CATARINENSE DE NOTÍCIAS

 

Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

 

PUBLICIDADE