04/05/2020 11h03

Dia Mundial da Asma: a doença representa cerca de 300 mil internações por ano no Brasil

Em solo brasileiro, a doença é a quarta maior causa de hospitalização

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Delta Ativa

Tosse, chiado no peito, falta de ar, respiração ofegante, e nas crises mais graves, taquicardia, suor e dor no peito. Essa é a rotina das pessoas com asma. Os casos mais graves levam a hospitalizações e internações recorrentes, o que impacta diretamente no dia a dia e na qualidade de vida dos asmáticos. Grave problema de saúde pública, a Organização Mundial da Saúde estima que existam cerca de 300 milhões de asmáticos em todo o mundo.

 

Em solo brasileiro, a doença é a quarta maior causa de hospitalização, chegando a 300 mil internações por ano. Por isso, para alertar a população contra a asma, o dia 05 de maio é conhecido como o Dia Mundial da Asma. A data foi idealizada pela Global Initiative for Asthma (GINA) e tem como objetivo melhorar a prevenção da doença e o nível de conscientização da população.

 

A médica pneumologista do Hospital Dia do Pulmão, Marina Andrade Lima, ressalta que a asma pode surgir desde a infância e não tem cura, mas pode ser controlada, com acompanhamento médico constante e uso de medicamentos apropriados para o tratamento. “O tratamento deve ser realizado preventivamente, utilizando os medicamentos todos os dias, com ou sem sintomas, já que a inflamação dos brônquios é constante”, diz.

 

Normalmente, a crise asmática é provocada por reações alérgicas a elementos como pelos de animais, mofo, ácaro e fumaça. Entretanto, a médica destaca que a asma também pode ser associada as mudanças climáticas, infecções virais e problemas emocionais. “É uma doença geneticamente herdada mas precisa de um ambiente propício para se desenvolver. Pode surgir em qualquer fase da vida. Não existe uma causa única para a descompensação: ácaros, perfumes, poluição, alterações climáticas, fatores emocionais, viroses, entre outros, levam à inflamação dos pulmões”, aponta Dra. Marina.

 

Para evitar as crises de asma, a pneumologista alerta que é necessário manter o ambiente livre de agentes irritantes, como tapetes, carpetes, cortinas e bichos de pelúcia. “A higienização do ambiente também deve ser frequente, com um pano úmido para evitar o acúmulo de pó. Além disso, o tabagismo ativo ou passivo também precisa ser evitado”, conclui.

 

Nesta terça-feira (5/05/20), duas médicas pneumologistas do Hospital Dia do Pulmão vão esclarecer dúvidas com relação ao tema no perfil do Instagram. A primeira live será ao meio-dia com a Drª Marina Lima. Já a segunda, está agendada para às 15h com a Drª Melina de Souza, que irá abordar a asma na infância.

 

Com informações de Bruna Gabriela Zierkuhr

PUBLICIDADE