15/09/2021 20h32 - Atualizado em 16/09/2021 08h22

Cobra levada a hospital ajuda a salvar criança e serve de alerta

Menino de apenas um ano foi picado por uma jararaca enquanto brincava no quintal da avó

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
Garoto segue em observação, mas passa bem (Foto: Especial / Santa)

Garoto segue em observação, mas passa bem (Foto: Especial / Santa)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

A foto de uma cobra no Pronto-Socorro do Hospital Santo Antônio, em Blumenau, chamou a atenção nesta semana ao ser publicada nas redes sociais. É que apesar de parecer inusitado, o fato de ela estar no local ajudou a salvar a vida de um menino de apenas um ano. O garoto foi picado pela serpente e um vizinho conseguiu matá-la. Assim, a família pôde levar o animal junto ao médico e garantir uma intervenção mais adequada para evitar um desfecho ruim.

 

Benjamin brincava no quintal da casa da avó no final da tarde de segunda-feira (13) quando ocorreu o acidente. Ele corria atrás de uma bola e repentinamente começou a gritar e chorar. Assim que a senhora foi acudi-lo, avistou a cobra do lado do pé do neto. Enquanto avisava o pai do menino, um vizinho matou o bicho e o colocou num pote. 

 

Quando Paulo Henrique de Almeida Machado chegou ao pronto-socorro tinha como auxiliar a equipe no atendimento ao filho.

 

A médica atentamente bateu foto da cobra e mandou para o órgão responsável. Em poucos instantes já tivemos a resposta de que era um filhote de jararaca e a doutora iniciou com o antídoto e a hidratação“, conta o pai.

 

Paulo trabalha no Hospital Santo Antônio na área de radiologia e sabe que ter levado o animal junto contribuiu para que a intervenção médica fosse mais rápida e garantisse a pronta recuperação do garoto, que apresentava irritação no local da picada. A jararaca é venenosa e responsável por 96,7% dos incidentes com serpentes no Estado, de acordo com o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de SC (CIATox).

 

O órgão presta orientação aos hospitais sobre as espécies quando os pacientes conseguem mostrar ou descrever as características do animal responsável pela picada, o que facilita o atendimento médico. Além disso, também faz o acompanhamento do caso. O pequeno Benjamim, por exemplo, segue hospitalizado para fazer uma bateria de exames. Já foram três coletas de sangue até o momento e ele evolui bem. A expectativa é de que possa estar logo em casa.

 

Paulo conta que no dia do acidente, de manhã, mandou mensagem à esposa comentando o caso do menino morto em Salete, após ser picado por um animal peçonhento. A suspeita é que Brayan Gabriel Duarte dos Santos, de dois anos, tenha sido atacado enquanto dormia. A família só percebeu mais tarde, quando o pequeno passou mal e foi levado ao hospital com sinais de ferida no pescoço.

 

O caso reforça que saber qual animal provocou a picada e buscar atendimento rápido pode ser a diferença entre a vida e a morte. Segundo o CIATox, ao menos sete pessoas morreram entre 2014 e 2020 após o ataque de serpentes porque buscaram socorro muito tarde.

 

Após acidentes com animais peçonhentos é de extrema importância para o melhor atendimento do paciente saber a espécie. A jararaca, que foi a serpente que causou o acidente, pode ser confundida pela população por cobras não venenosas, o que poderia trazer maiores danos“, frisa o médico coordenador do Pronto Socorro do HSA, Augusto Cezar de Santana Ronchi.


POR: TALITA CATIE – JORNAL DE SANTA CATARINA / NSC TOTAL

SIGA AS REDES SOCIAIS DA RÁDIO EDUCADORA: INSTAGRAMFACEBOOK YOUTUBE.
PUBLICIDADE