25/03/2020 11h12 - Atualizado em 25/03/2020 16h27

Barragem de Taió encontra-se em situação de emergência pela falta de chuva

A Defesa Civil recebeu notificação de 27 municípios que decretaram situação de emergência até a semana passada

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Delta Ativa

Metade dos rios monitorados pelo Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia da Epagri estão sem situação de estiagem. De acordo com o pesquisador de hidrologia da Epagri/Ciram, Guilerme Miranda, das 40 estações monitoradas, 21 estão com os níveis abaixo do normal, sem 4 em situação de atenção, seis em alerta e 11 em emergência.
A situação é mais grave no Oeste, Meio Oeste e Serra. Mas tirando a região Norte, há problemas em todo o estado, como por exemplo o rio Canoas, em Camboriú, e a barragem de Taió. Estes, além do Rio Chapecó, em São Carlos, são exemplos de locais em emergência.

 

 

A situação é mais complicada no Oeste e a tendência é piorar pois não há previsão de chuva nesta semana. Neste mês choveu 31 milímetros em média no Meio Oeste, 32mm no Oeste e 38 no Extremo Oeste, quando a média é 150mm. Desde junho do ano passado vem chovendo pouco nessas regiões. No Meio Oeste choveu 600mm a menos do que o esperado desde o último ano – explicou Miranda.

 

 

Com a redução na vazão dos rios a geração de energia e o fornecimento de água estão sendo afetados. A hidrelétrica Foz do Chapecó, que fica no Rio Uruguai, em Águas de Chapecó e tem capacidade para gerar 855 megawatts, 25% da demanda de Santa Catarina, não gerou nada entre as 5h de domingo e às 16h desta terça-feira. A Hidrelétrica de Machadinho, que fica em Piratuba, também no Rio Uruguai, e tem capacidade de 403 megawatts, também está parada.

 

Estiagem impacta no abastecimento de água, safra e geração de energia, no Oeste de SC

 

A Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento (Aris), também considera critica a situação de ouros municípios, devido ao problema de abastecimento no meio rural. Estão nessa lista Guatambu, Caxambu do Sul, Iporã do Oeste, Planalto Alegre, Peritiba, Saudades e Seara. Todos estão transportando água para propriedades do interior, com caminhões-pipa.

 

A Defesa Civil recebeu notificação de 27 municípios que decretaram situação de emergência até a semana passada, mas esse número já é maior, só que ainda não foi atualizado.

Safra terá perdas de pelo menos 9% no milho e 5% na soja

 

A falta de chuva também vai afetar a produção de grãos. O pesquisador Haroldo Tavares Elias, do Centro de Socieconomia e Planejamento Agrícola da Epagri, Haroldo Tavares Elias, prevê uma redução de 9% na safra de milho, o que representa uma quebra superior a 200 mil toneladas. A expectativa inicial era colher 2,75 milhões de toneladas do cereal.

 

Fonte: NSC

PUBLICIDADE