22/05/2020 15h42

‘Apreensão do celular do presidente é inacreditável’, diz general Heleno

Ministro completou que a atitude é uma interferência entre os Poderes e pode ter 'consequências imprevisíveis para estabilidade nacional'

PUBLICIDADE
General Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República

General Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República

PUBLICIDADE
Delta Ativa

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (SGI) da Presidência da República, general Augusto Heleno, disse por meio de nota, nesta sexta-feira (22), que é o pedido de apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro é “inconcebível e, até certo ponto, inacreditável”.

 

Ele completou que, se isso ocorrer, o GSI “alerta” as autoridades constituídas que a atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e “poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

 

“Caso se efetivasse, seria uma afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro Poder, na privacidade do presidente da República e na segurança institucional do país”, escreveu Heleno.

 
Ver imagem no Twitter

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello encaminhou à Procuradoria Geral da Repúblicau, nesta sexta-feira, uma notícia-crime relacionada à investigação sobre a suposta interferência de Bolsonaro na direção Polícia Federal, que foram denunciadas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

 

O ministro solicitar a busca e apreensão dos celulares do presidente e de seu filho, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro, para perícia. O procurador geral da República, Augusto Aras, agora precisa analisar os pedidos e se manifestar. De toda forma, a decisão final cabe à Celso de Mello.

 

Fonte: O tempo

PUBLICIDADE