15/01/2021 14h16

Por que existe um estádio de futebol abandonado em Blumenau?

Espaço fica em plena Região Norte e vem à tona no momento em que a cidade volta a debater a construção de um estádio municipal

PUBLICIDADE
Arquibancada abandonada tem capacidade para cerca de 3 mil pessoas (Foto: Augusto Ittner, BD)

Arquibancada abandonada tem capacidade para cerca de 3 mil pessoas (Foto: Augusto Ittner, BD)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Você sabia que Blumenau tem um estádio abandonado? Situado próximo a uma transversal da Rua Guilherme Scharf, no Fidélis, o local é carinhosamente chamado de “campo dos frades” pela comunidade. O motivo é claro: o terreno onde fica a arquibancada — e todas as outras estruturas — pertence à Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil. Em meio às dificuldades do Metropolitano em encontrar um local para mandar os jogos no Campeonato Catarinense, essa estrutura desaproveitada e com capacidade para cerca de 3 mil pessoas vem novamente à tona.

 

O espaço onde fica o “estádio dos padres” já pertenceu ao Colégio Bom Jesus, de Blumenau. Lá ficaria uma megaestrutura de educação, que descentralizaria a tradicional escola no final dos anos 1990 e início dos anos 2000. Obras chegaram a ser feitas na região — desde acessos pavimentados, tanto pela Rua Teresa Fischer, quanto pela Rua Professor Hermann Lange, até as arquibancadas para um ginásio e para o estádio de futebol (veja na imagem abaixo). Apesar de o mato tomar conta do entorno, a via que leva ao local é asfaltada e muito bem cuidada. Só tem um detalhe: não tem utilidade.

 
Image de satélite mostra a arquibancada principal e, ao fundo, uma outra arquibancada onde seria o ginásio poliesportivo.

Imagem de satélite mostra a arquibancada principal à esquerda e, pouco acima, uma outra arquibancada onde seria o ginásio poliesportivo (Foto: Google Earth, Reprodução)


A mudança na direção da Província Franciscana, pouco mais de duas décadas atrás, enxugou os recursos para a obra que foi totalmente paralisada depois que houve o entendimento de que a transferência do Centro para o Fidélis “não era viável”, explica Fábio Moraes, representante da Província. O espaço foi devolvido pela unidade escolar de Blumenau aos franciscanos e, desde então, ficou ocioso à espera de ser vendido.

 

Mas, afinal de contas, há interesse em envolver toda a estrutura em uma negociação e, quem sabe, possibilitar que Blumenau tenha um estádio para o futebol profissional?

 

A resposta, segundo Moraes, é “não”. Ou melhor: pode até ser “sim”, mas para isso alguém teria de desembolsar um bom dinheiro para comprar todo o espaço onde fica o estádio, avaliado na bagatela de R$ 25 milhões — segundo a instituição religiosa. À reportagem do Santa, o representante da Província diz que já foi sondado por incorporadoras e empreiteiras, mas que a instituição religiosa não tem interesse em permutar ou envolver o terreno em qualquer negociação. Só venda.

 

No ano passado, os representantes da Província chegaram, até, a se reunir com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para uma possível instalação de um campus próprio em Blumenau. Apesar das conversas, o tema não evoluiu porque não há potencial de investimento próprio a curto prazo pela UFSC — sem contar a necessidade de construção de toda a estrutura acadêmica, com prédios, laboratórios etc. A conversa esfriou.

 

Imagem do estádio vista de onde seria o campo. Hoje o matagal toma conta do local, e o responsável diz que é preciso autorizaçao do Meio Ambiente para fazer os cortes.

Imagem do estádio vista de onde seria o campo. Hoje o matagal toma conta do local, e o responsável diz que é preciso autorizaçao do Meio Ambiente para fazer os cortes (Foto: Augusto Ittner, BD)


Moraes diz que o terreno é fechado e que há manutenção, mas podas em matagais não podem ser feitas sem que haja autorização por parte da Secretaria do Meio Ambiente de Blumenau. 

 

Além disso, a Província afirma que já alertou as autoridades sobre o uso indevido das estruturas por usuários de drogas e que monitora depredações e o uso do local para desova de móveis e entulhos. Ele diz, ainda, que técnicos estão fazendo a retificação do terreno (de 280 mil metros quadrados), com correção de traçados. O objetivo é resolver questões burocráticas caso exista um possível comprador.

 

Ah, quanto ao estádio? Está lá, sem utilidade. E assim vai continuar, a não ser que um fã do esporte blumenauense ganhe na Mega da Virada.


POR: AUGUSTO ITTNER / JORNAL DE SANTA CATARINA – NSC

Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

PUBLICIDADE