13/01/2021 10h12

Chapecoense afunda o Figueirense e confirma acesso à Série A

Verdão do Oeste retorna a elite do futebol brasileiro em 2021

PUBLICIDADE
Foto: Márcio Cunha/ACF

Foto: Márcio Cunha/ACF

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Figueirense perdeu para a Chapecoense pelo placar de 2 a 1 na noite desta terça-feira (12), em Chapecó. Com o resultado o Verdão do Oeste consolidou matematicamente o acesso à Série A em 2021.

 

O contraste catarinense, ao término da partida, foi formado pelo time confirmado na Série A em 2021 com o cenário cabisbaixo do grupo que segue atolado no Z4.

 

Com o resultado o Figueirense caiu para a 18ª colocação e vai precisar de, pelo menos, três vitórias em quatro jogos restantes.

 

História do jogo

 

Ainda que encontre alguma resistência, Chapecoense e Figueirense já decidiram campeonato, já se enfrentaram em Série A e Série B, fizeram jogos bons e jogos ruins.

 

O fato é que trata-se de um clássico do futebol catarinense e, por si só, já reúne uma carga emocional especial.

 

Em uma reta final de campeonato de pontos corridos, todo jogo é uma final. Chapecoense de olho na Série A e Figueirense querendo tirar o olho da Série C se encontraram cientes de que, para ambos, a vitória era obrigação.

 

Em campo dois retornos importantes e proporcionais: a Chape, após afastar o atacante Paulinho Moccelin devido a presença em uma festa em Chapecó, no domingo retrasado, reintegrou o atleta e, mais que isso, o colocou para o jogo.

 

No Figueirense a presença, senão dentro das quatro linhas, fora delas. Jorginho, após dois jogos afastados, foi a principal atração do Furacão no duelo diante do Verdão, no Oeste.

 

Jogaço

 

Se havia expectativa por um bom jogo de futebol ela foi superada e muito. Chapecoense e Figueirense fizeram um jogaço na primeira etapa com lances de ataque desde os primeiros minutos.

 

O Figueirense, inclusive, perdeu de abrir o placar. Em dois lances semelhantes, o Furacão explorou as costas do lateral Roberto e criou duas chances incríveis, ambas, desperdiçadas por Bruno Michel e Geovane Itinga, respectivamente.

 

A Chapecoense equilibrou as ações e passou a agredir o Figueirense, sobretudo, com o reintegrado Paulinho.

 

O camisa 94 levou muita dor de cabeça ao setor direito de defesa do Figueirense. Na maior de todas as importunações na defesa alvinegra, o gol:

 

Jogada pela direita com Matheus Ribeiro que cortou para o pé esquerdo e cruzou na área e Paulinho, sem marcação, na marca do pênalti subiu para testar para o fundo da rede de Rodolfo Castro.

 

O Figueirense acusou o gol e já não teve mais oportunidades claras para empatar. Insistiu em cobranças de escanteio: foram 13 tiros de canto disparados pelo Figueirense contra quatro do time da casa.

 

O placar, no entanto, mostrou que todos eles foram em vão.

 

Segunda etapa

 

O Figueirense até começou ousado ao repetir a postura dos minutos inicias, mas rapidamente faltou fôlego. Erison, que entrou na vaga de Geovane Itinga, ainda acertou a trave.

 

O gol do acesso veio logo depois: aos 20′ o zagueiro Derlan aproveitou um rebote de Rodolfo Castro em cobrança de escanteio e mandou para rede.

 

Aos 38 da segunda etapa o zagueiro Derlan, autor do gol, subiu com o braço levantado dentro da sua área e o árbitro assinalou pênalti. Diego Gonçalves cobrou e fez o tento do alento alvinegro, mas já era tarde.

 

Festa do Verdão. Agonia alvinegra.

 

Próxima parada

 

A Chapecoense, em mais um jogo que indiretamente relaciona o Figueirense, visita o Vitória, na Bahia, às 16h do próximo domingo.

 

Já o Furacão volta a campo na próxima sexta-feira, às 17h30, contra o Brasil-RS, em Florianópolis (SC).

 

Ficha técnica

 

Chapecoense: João Ricardo; Matheus Ribeiro, Derlan, Felipe Santana e Roberto; Willian, Anderson Leite (Ronei) e Denner (Lucas Tocantins); Mike (Aylon), Paulinho Moccelin (Foguinho) e Perotti (Alan Santos). Técnico: Umberto Louzer.

 

Figueirense: Rodolfo Castro; Thiaguinho, Guilherme Thiago, Vitor Mendes e Renan Luís; Arouca, Matheus Neris (Alemão) e Dudu (Erison); Bruno Michel (Guilherme), Diego Gonçalves e Geovane Itinga (Alecsandro). Técnico: Jorginho Cantinflas.

 

Gols: Paulinho (22/1T) e Derlan (20/2T); Diego Gonçalves (38/2T)

 

Cartões amarelos: Umberto Louzer (CHA)

 

Arbitragem: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS); auxiliado por Leirson Peng Martins (RS) e Maurício Coelho Silva Penna (RS).

 

Local: Arena Condá, em Chapecó (SC). Data: 12/01/21


POR: DIOGO DE SOUZA – ND+

Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

PUBLICIDADE