16/10/2020 16h56

Viúva de Chacrinha morre na véspera de completar 100 anos

Florinda Barbosa foi casada com o apresentador durante 41 anos

PUBLICIDADE
Chacrinha ao lado de Florinda (Foto: Reprodução)

Chacrinha ao lado de Florinda (Foto: Reprodução)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Florinda Barbosa de Medeiros, viúva do apresentador Chacrinha (1917-1988), morreu na madrugada desta sexta-feira (16), em sua casa, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Ela, que foi casada com o comunicador durante 41 anos (1947-1988), completaria 100 anos no sábado (17). Seu sepultamento ocorrerá no mesmo local que do velho guerreiro.

 

Florinda deixa um filho, Leleco Barbosa, que estava desenvolvendo uma biografia para sua mãe. Ela também teve oito netos e dois bisnetos, além de ter perdido dois filhos, Jorge e José Renato. Jorge foi contaminado com o novo coronavírus e morreu por causa de complicações da doença.

 

Por ter uma idade avançada, Florinda não soube da morte do seu filho. A família ficou preocupada com a reação dela, temendo que não aguentasse e viesse a falecer. Os parentes não deram mais detalhes de como será a cerimônia de enterro da viúva de Chacrinha.

 

Florinda foi a grande companheira do velho guerreiro, acompanhando-o desde o início da carreira e dando apoio no fim da vida dele, quando estava muito doente. Sempre discreta, fez raras aparições públicas após a morte do seu marido e optou por se dedicar a família.

 

Florinda e sua admiração por Chacrinha

 

Em 1999, Florinda foi entrevistada pela apresentadora Eliana Ovalle e não escondeu sua admiração por Chacrinha. Ela se mostrou feliz ao relembrar que os artistas continuavam citando seu marido em programas de TV e shows. “Graças a Deus, 11 anos que ele faleceu, ele nunca foi esquecido. Ele sempre era lembrado nos programas. Os artistas sempre me ligam, quando fazem show querem que eu apareça. O Faustão, o Gugu e o Silvio Santos estão sempre falando dele. Ele não foi esquecível por ninguém, sempre com uma palavra de carinho”, comentou.

 

A viúva do apresentador aproveitou para analisar o motivo do sucesso dele como comunicador. “O carisma dele. Ele era uma pessoa maravilhosa. Ele dava um clique e as coisas aconteciam pra ele. O sucesso que ele teve, ele mereceu. Ele era trabalhador, muito guerreiro”, completou.

 

 

FONTE: NA TELINHA – UOL

 

Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

PUBLICIDADE