18/11/2020 16h00

Relatório diz que China pagou jornais brasileiros e dos EUA para propagarem regime

Folha de São Paulo, O Globo e Correio Braziliense estão entre os jornais que receberam valores

PUBLICIDADE
Xi Jinping (Foto: Reprodução/YouTube)

Xi Jinping (Foto: Reprodução/YouTube)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Um relatório do Departamento de Justiça dos Estados Unidos situou uma surpreendente relação de pagamentos vindos do China Daily, jornal que é controlado pelo Partido Comunista da China (PCCh), que foram enviados a diversos jornais internacionais.

 

Dentre os jornais que receberam os pagamentos estão o Washington Post e também periódicos brasileiros como Folha de São Paulo, O Globo e Correio Braziliense. O objetivo do financiamento era para que os jornais pudessem estimular as propagandas governamentais.

 

Os documentos foram divulgados no dia 1º de junho e mostram pagamentos de aproximadamente 19 milhões de dólares a imprensa. De acordo com o site, o acordo é sobre a publicação de propagandas pró-Pequim disfarçadas de notícias reais, um informe divulgado como “China Watch”.

 

As despesas denotam o período de novembro de 2016 até abril de 2020. Esses números referem a conteúdo pago e não a publicidade.

 

Brasil e EUA

 

A Folha de São Paulo, registrada como Empresa Folha da Manhã S. A., arrecadou, segundo o relatório divulgado, 405 mil dólares para compartilhar os conteúdos do China Daily. O Grupo Folha recebeu, em janeiro de 2019, 41,4 mil dólares, valor acima da média anual da empresa.

 

Cerca de 109 mil dólares foram pagos à Editora Globo, enquanto o Correio Braziliense recebeu um pouco mais de 15 mil dólares.

 

Nos últimos quatro anos, de acordo com os registros da Lei de Registro de Agentes Estrangeiros (FARA), a China Daily pagou cerca de 6 milhões de dólares ao Wall Street Journal e mais 4,6 milhões ao Washington Post.

 

O Los Angeles Times recebeu cerca de 753 mil dólares, o Foreign Policy um pouco mais de 240 mil dólares, enquanto o maior jornal do mundo, o The New York Times, recebeu apenas 50 mil dólares.

 

Esses jornais publicavam notícias como se fossem reais com a intenção de fazer propagando em favor da China. O China Daily gastou 11 milhões de dólares. Só no Twitter foram usados 265 mil dólares em propagandas, o restante do dinheiro foi investido em jornais impressos.


FONTE: GOSPEL PRIME


Participe de um dos nossos grupos no WhatsApp e receba diariamente as principais notícias do Portal da Educadora. É só clicar aqui.

PUBLICIDADE