18/09/2021 09h53

Com dias chuvosos em SC, veja brincadeiras para fazer com as crianças em casa

Psicopedagoga dá dicas de como aproveitar os momentos com os pequenos e a como deixá-los "ocupados"

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
Brincadeiras devem ser pensadas em conjunto com as crianças (Foto: Freepik)

Brincadeiras devem ser pensadas em conjunto com as crianças (Foto: Freepik)

PUBLICIDADE

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

O fim de semana será chuvoso em grande parte de Santa Catarina. Com as crianças em casa, uma maneira de entretê-las é criar brincadeiras com elas, além de incentivá-los a brincar sozinhas para soltar a imaginação.

 

É comum que pais e mães recorram aos celulares, tablets e televisão, mas é importante reduzir o uso das telas, diz a psicopedagoga Lorena Nolasco.

 

É necessário estabelecer horários próprios para isso. Vejo muitas crianças estimuladas após aulas online ou mesmo presenciais e ainda ganham 30 minutos para jogar antes de dormir. Esse é o principal equívoco”, alerta.

 

A psicopedagoga diz que crianças expostas a jogos e estímulos muito rápidos levam bastante tempo para desacelerar e conseguir dormir ou até mesmo mudar para alguma outra atividade.

 

Muitos pais relatam que pegam os filhos das escola e eles não entendem que é horário de almoçar, porque ainda estão no processo da escola, nas brincadeiras com os colegas, nas atividades de lá. Fazer a virada de chave é muito difícil para alguns.

 

Assim, a dica é moderar o uso das telas e observar os melhores horários para que as crianças tenham um sono reparador, além de eprocurar um psicopedagogo para fazer essas orientações e potencializar o uso das tecnologias de modo saudável.

 

Brincadeiras para fazer em casa

 

O maior desafio é manter as crianças “ocupadas” o maior tempo possível, para que os pais e mães consigam administrar os afazeres da casa ou até mesmo trabalhar.

 

Mas nesse momento de estar com a criança, Nolasco recomenda que os adultos se entreguem à brincadeira. “Um dos pontos muito importantes é permanecer focado nesses momentos.

 

Atividades de tabuleiro

 

Os jogos de tabuleiro são democráticos e agradem desde os pequenos aos mais velhos. “É uma das atividades mais recomendadas para a família. A turminha menor gosta e a maior também”, afirma.

 

Segundo a psicopedagoga, até os 12 anos, as crianças precisam da condução dos pais, e muitas vezes permissão, para que possam brincar.

 

Organizar a casa

 

Pode parecer que não é divertido, mas Nolasco afirma que, a partir dos 6 anos, é preciso que a criança tenha um papel definido com as tarefas de casa, mesmo que muito pequenas, como dobrar alguma roupa ou ajudar na cozinha.

 

Ocupar o tempo com essas atividades pode se tornar uma grande brincadeira.” Outra atividade ainda na cozinha é fazer bolachas e alimentos que as crianças possam interagir também, desde que tenha muita mediação dos pais.

 

Caixas de papelão

 

Outra sugestão é delimitar os espaços permitidos para determinadas brincadeiras, como as que envolvam caixas de papelão. “É muito fácil de achar e transformar em foguetes, mercadinhos, caminhões, carros, casas e depois é um descarte ecologicamente correto”, aponta.

 

Construção de cabaninhas

 

As brincadeiras que as crianças possam fazer sozinhas devem ser as que não corram riscos nem precisem de uma supervisão tão constante das famílias, explica a especialista.

 

As atividades incluem brinquedos prontos, como os sonoros para os bebês, ou atividades que a gente coloque-as em cercadinhos, “lembrando que os ambientes precisam estar delimitados para estarem seguros”.

 

A tradicional construção das “cabaninhas”, com cadeiras, lençóis, cobertores, exigem um material simples para as crianças utilizarem. “E uma questão que acho muito bacana é trabalhar com a questão das cores, os projetores com multicores dá para usar junto das brincadeiras”, sugere Nolasco.

 

É nesse sentido que a psicopedagoga fala em usar a tecnologia como potencializador de brincadeiras.

 

Construção de pequenas maquetes

 

Construir pequenas maquetes é uma das sugestões apontada. “Atividades que exigem a concentração das crianças e para alcançar resultado, como construir pequenos zoológicos e pequenos apartamentos, exigem muita concentração.

 

Por isso, é importante dar um modelo e incentivá-las a imaginar. “Em algumas brincadeiras os pais ficam admirados: ‘nossa, ele ficou ali por duas horas’, justamente porque existe um propósito. Não é simplesmente mandar a criança ‘vai brincar”, ressalta Nolasco. É preciso planejar a atividade com a criança.

 

Slimes e as massas de modelar

 

Com slimes e massas de modelar, pode-se colocar outros objetos, como colheres, tipos de graveto e espátulas para as crianças modelarem como quiserem.

 

Lembrando que podemos ter uma referência em aplicativos que ensinem a desenhar, modelar e ocupem um tempo de atividade e concentração”, finaliza.



SIGA AS REDES SOCIAIS DA RÁDIO EDUCADORA: INSTAGRAMFACEBOOK YOUTUBE.

 

PUBLICIDADE