30/07/2021 14h50 - Atualizado em 30/07/2021 14h52

Cobertores e aquecedores: como zoológicos de SC intensificam cuidados para proteger animais do frio

Feno, caixas e outros equipamentos são usados para dar mais confortos aos bichos na época de temperaturas mais baixas

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
Três suricatos sobre feno em volta de caixa no Complexo Ambiental (Foto: Cyro Gevaerd Marcia Achutti / Divulgação)

Três suricatos sobre feno em volta de caixa no Complexo Ambiental (Foto: Cyro Gevaerd Marcia Achutti / Divulgação)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

Com o frio intenso, zoológicos de SC têm que redobrar os cuidados com os animais. Cobertores, aquecedores, feno, caixas, alimentação e iluminação diferenciada são usados para dar mais conforto aos bichos. Com informações do G1 SC. 

 

Os cuidados variam em relação ao tipo de animal. No caso dos répteis, é preciso aquecer o ambiente para que a temperatura corporal deles não baixe muito. No zoológico do parque Beto Carrero World, em Penha, no Litoral Norte, o recinto onde serpentes, jabutis e iguanas ficam é aquecido.

 

Para as serpentes, o piso é aquecido, assim como para a iguana, com caixa de madeira também aquecida. Dessa forma, o réptil tem a liberdade de entrar quando quiser aumentar a temperatura corporal. Para os jabutis, o aquecimento é no teto.

 

Ao G1 SC, o parque explicou que, caso a temperatura desses animais baixe muito, o metabolismo deles cai e acabam não se alimentando direito.

 

No Parque Zoobotânico de Brusque, no Vale do Itajaí, há aquecimento e lâmpada própria para ajudá-los a manter uma boa temperatura corporal, assim como no Complexo Ambiental Cyro Gevaerd, em Balneário Camboriú, no Litoral Norte.

 

Aves ganham proteção contra o vento

 

Também é preciso cuidado com as aves. O zoológico em Brusque colocou plásticos e lonas de proteção contra o vento.

 

Algumas aves que são mais sensíveis, principalmente aquelas que são de gaiolas, que foram acostumadas assim, serão retiradas dos recintos e colocadas na clínica como proteção“, disse a responsável técnica pelo zoológico e médica-veterinária, Milene Pugliesi Zapala.

 

Lonas de proteção contra vento em recinto para aves no Parque Zoobotânico de Brusque

Lonas de proteção contra vento em recinto para aves no Parque Zoobotânico de Brusque (Foto: Parque Zoobotânico de Brusque / Divulgação)

Para os mamíferos, como primatas e felinos, são usados aquecedores, feno e cobertores. Caixas também são uma opção.

 

Alimentação dos bichos também é alterada

 

Os alimentos também podem ser aliados para manter a temperatura corporal dos animais, segundo Milene Zapala.

 

É uma alimentação pouco diferenciada no inverno. A gente acaba oferecendo alimentos mais gordurosos como amendoim, girassol, milho, pinhão, como fonte de energia pra ajudar na temperatura do animal“, explicou.

 

Por fim, os cuidadores estão treinados para perceberem qualquer comportamento fora do normal.

 

Se algum animal a gente vir que acaba ficando um pouco mais sensível devido ao frio, vai ser retirado do recinto e levado e encaminhado à clínica para maior proteção“, disse Zapala.


POR: CAROLINA FERNANDES E JOANA CALDAS – DIÁRIO CATARINENSE / NSC TOTAL / COM INFORMAÇÕES DO G1 SC

SIGA AS REDES SOCIAIS DA RÁDIO EDUCADORA: INSTAGRAMFACEBOOK YOUTUBE

 

PUBLICIDADE