04/10/2019 08h46

Alemão morre dentro de casa e corpo se mantém intacto por oito anos sem que ninguém note

Sem ser dado como morto, o padeiro ainda recebia sua aposentadoria normalmente na conta

PUBLICIDADE
Yahoo!

Yahoo!

PUBLICIDADE
Delta Ativa

O corpo de um padeiro aposentado esteve intocado por oito anos no aparamento em que ele morava, na Alemanha, e só acabou descoberto por acaso, em decorrência de um incêndio no local.

 

Morto aos 59 anos, os restos mortais de Heinz H. foram encontrados ao lado do corpo de seu cachorro que, provavelmente, morreu de fome no local.

 

A história veio à tona porque bombeiros arrombaram a porta do apartamento quando estavam evacuando todos os moradores do prédio devido a um incêndio no último andar.

 

O curioso é que a caixa de correspondências de Heinz estava lotada e o carro do padeiro ainda estava estacionado em frente ao prédio, ainda que ele não fosse visto desde 2011.

 

Um cheiro estranho, provavelmente o de decomposição do corpo, chamou a atenção dos vizinhos, mas o proprietário do apartamento disse que tudo estava normal, já que Heinz estava pagando o aluguel em dia.

 

Apesar do fato assustador, descobriu-se posteriormente que o dinheiro caía no débito automático. Sem ser dado como morto, o padeiro ainda recebia sua aposentadoria normalmente na conta.

 

De acordo com o jornal alemão Bild, Angelika, vizinha do padeiro, tentou alertar os outros moradores do prédio de que havia algo de errado com o padeiro, porém ninguém levou a sério sua preocupação.

 

Segundo o jornal Bild, uma vizinha, Angelika, suspeitou que havia algo errado com Heinz. No entanto, ninguém se importou com ela.

 

“Eu costumava vê-lo passeando com seu cachorro quando estava com meus filhos. Eles gostavam do cachorro e Heinz sempre dava doces para eles”, contou a vizinha.

 

Angelika afirmou que o padeiro havia perdido contato com a família e que ele parou de trabalhar porque estava sofrendo de uma alergia.

 

A vizinha chegou a entrar em contato com a polícia, mas os agentes disseram que não sentiram nenhum cheiro estranho e deixaram um prédio quando outro morador afirmou que Heinz havia deixado o apartamento.

PUBLICIDADE