08/11/2018 11h11 - Atualizado em 08/11/2018 10h38

SCGÁS promoverá expansão da rede de gás natural em Rio do Sul

Está em implantação aproximadamente 500 metros de gasoduto de distribuição

PUBLICIDADE
Quando da chegada do gás natural em Rio do Sul em 2016 - Raimundo Colombo e a presidente da Pamplona Alimentos, Irani Pamplona, acionaram o gás natural para a empresa (Foto: Jacqueline Nocetti, Secom, divulgação)

Quando da chegada do gás natural em Rio do Sul em 2016 - Raimundo Colombo e a presidente da Pamplona Alimentos, Irani Pamplona, acionaram o gás natural para a empresa (Foto: Jacqueline Nocetti, Secom, divulgação)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

A SCGÁS iniciará amanhã uma obra de expansão da rede de gás natural em Rio do Sul, que inicialmente resultará na implantação de aproximadamente 500 metros de gasoduto de distribuição. A obra terá início nos fundos do Posto do Encontro, à margem da BR-470, e seguirá pela Rua Deputado Walter Roussenq. Ainda não foi possível estabelecer uma previsão de término da implantação da rede.

 

O que é o Gás Natural

Apesar de ter origem fóssil, o gás natural é considerado um combustível limpo, pois reduz em até 90% a emissão de gases poluentes. O insumo é composto principalmente por metano, molécula presente na decomposição de matéria orgânica. Sua queima resulta na liberação de vapor de água e gás carbônico. “O gás natural libera menos gases poluentes comparado a outros combustíveis fósseis, que têm cadeia química mais complexa. E apesar de não ser renovável, o gás natural é a opção mais amigável ao meio ambiente disponível em larga escala e economicamente competitivo”, explica o assessor de Segurança, Meio Ambiente e Saúde da SCGÁS, engenheiro Willian Anderson Lehmkuhl.

 

A SCGÁS produziu um estudo em 2012 para estimar a quantidade de CO² (dióxido de carbono) que os clientes da companhia deixaram de emitir ao adotar o gás natural como energético. O resultado constatou que 11 milhões de toneladas de CO2 deixaram de ser liberados na atmosfera desde o início das operações da Companhia. O volume de dióxido de carbono evitado corresponde ao efeito de 20,3 milhões de árvores, equivalente a quase 20 mil campos de futebol.

 

Além de emitir menos poluentes, o gás natural também atua como energético de transição entre os combustíveis fósseis e as energias renováveis. “Estamos saindo de uma época com uso excessivo de petróleo e carvão para pensar em novas fontes como energia solar, eólica e biomassa. Como é o último combustível fóssil da cadeia, toda a infraestrutura e a tecnologia desenvolvida para o gás natural poderá ser utilizada pelas energias renováveis no futuro”, completa Lehmkuhl.

PUBLICIDADE