04/07/2019 11h11 - Atualizado em 04/07/2019 10h21

Rio do Campo cria Programa Municipal de Práticas Complementares em Saúde

Há diversas evidências científicas que mostram os benefícios do tratamento

PUBLICIDADE
Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE
Delta Ativa

O Prefeito Rodrigo Preis sancionou na semana passada a lei que cria o Programa Municipal de Práticas Complementares em Saúde – PMPICS. A projeto foi discutido e aprovado pela Câmara de Vereadores no mês passado. O programa atende os termos da Política Federal de Práticas Integrativas e Complementares.

 

O objetivo do PMPICS será incorporar as Práticas Integrativas e Complementares – PICS, no município. O programa deverá atuar na perspectiva de prevenção de agravos, promoção e recuperação da saúde, com ênfase na Atenção Básica.

 

As PICS se utilizam de recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais. As práticas são voltadas para prevenir diversas doenças e em alguns casos podem ser utilizadas como tratamentos paliativos em algumas doenças crônicas. O SUS oferece gratuitamente 29 procedimentos que integram as PICS, através da Atenção Básica.

 

Conforme o Ministério da Saúde, há diversas evidências científicas que mostram os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Cerca de 3 mil municípios no país já ofertam estes atendimentos.

 

Conforme determinado na lei, a execução do programa, em Rio do Campo, será “descentralizada, respeitando a vocação municipal e a estruturação da rede de competências da cadeia produtiva, programando e executando, de forma integrada, as questões educacionais, avaliativas, diagnosticas, ambientais e cientificotecnológicas, dentro de uma estratégia de desenvolvimento municipal”.

 

O programa promoverá ações nas instituições de educação, saúde, meio ambiente entre outras, visando a expansão das atividades.

 

Na terça-feira (02), reuniram-se com o Prefeito Rodrigo, representantes das Secretarias de Saúde, Educação e Agricultura além da Pastoral da Saúde, para discutir como será a implantação do projeto no município. O grupo será permanente e iniciará focando o uso de plantas medicinais. Também participa da equipe, representantes da comitiva que visitou a experiência de Guarujá do Sul, no mês passado.

PUBLICIDADE