11/07/2018 16h40 - Atualizado em 11/07/2018 16h10

Polícia Civil investiga se idoso morto por tiro em SC disparou contra si durante caça

Ivo Hertz, de 69 anos, estava com irmão e amigo em caçada

PUBLICIDADE
G1 SC

G1 SC

PUBLICIDADE
Delta Ativa

O homem de 69 anos encontrado morto na madrugada desta quarta-feira (11) no Parque Spitzkopf, em Blumenau, no Vale do Itajaí, pode ter disparado acidentalmente contra o próprio corpo durante uma caça, informou a Polícia Civil. Ele foi identificado como Ivo Hertz.

 

Segundo o delegado Bruno Effori, essa é a principal linha de investigação. Conforme o delegado, Ivo, o irmão dele e um amigo estavam caçando, prática considerada ilegal no local, quando ocorreu o disparo. A vítima foi encontrada morta pelo irmão por volta da 1h.

 

“De acordo com a versão do irmão e de outra pessoa que estava caçando com eles, eles não estavam no momento do disparo. Inclusive os três caçaram em lugares distintos. Quando do retorno, dois voltaram e um não [a vítima]”, explica Effori.

 

Ainda segundo o delegado, pela trajetória da cápsula e a possível distância da arma de fogo, a versão se confirma.

 

“A arma de fogo apreendida estava com projétil, com a cápsula deflagrada. Com a cápsula dentro da arma. Mas os laudos periciais ainda não vieram até a delegacia”, complementa.

 

Segundo Effori, caso a linha de acidente seja comprovada, ninguém responde pela morte. Se o disparo foi feito pelo irmão ou o outro caçador, o delegado acredita que possam responder por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.

 

Disparo

A Polícia Civil e Instituto Geral de Perícias (IGP) estiveram no local e fizeram os primeiros atendimentos. Segundo o IGP, a vítima morreu por um disparo no abdômen.

 

A arma foi recolhida pelo irmão da vítima. Em depoimento na Polícia Civil, ele disse que ficou com a espingarda por medo de represália, por estarem fazendo prática ilegal de caça.

 

A arma foi apreendida e passa por perícia, segundo o delegado. Ivo Hertz era natural de Blumenau e não tinha passagens policiais.

PUBLICIDADE