12/06/2018 13h38 - Atualizado em 12/06/2018 13h39

João Rodrigues não acredita na cassação

Ele retomou às atividades durante o dia para voltar à prisão à noite

PUBLICIDADE
Por Carolina Bahia / NSC

Por Carolina Bahia / NSC

PUBLICIDADE
Delta Ativa

De volta aos trabalhos na Câmara, o deputado João Rodrigues (PSD-SC) não acredita que possa ter o mandato cassado pelos colegas no Conselho de Ética. Condenado ao regime semiaberto por irregularidades na prefeitura de Pinhalzinho, ele ficou 110 dias preso na Papuda no regime fechado porque estava impedido de trabalhar pela Justiça.

 

Por uma decisão do ministro Luís Roberto Barroso, ele retomou às atividades durante o dia para voltar à prisão à noite.  Em conversa com jornalistas, afirmou que não pretende solicitar à Justiça licença para ir ao Estado e que a mulher e as filhas devem desembarcar em breve em Brasília. Rodrigues afirma que vai entrar no Supremo Tribunal Federal (STF) com embargos e um pedido de habeas corpus, na tentativa de reverter a pena. Quanto ao mandato, o Conselho de Ética ainda analisa o pedido de cassação e há um longo caminho pela frente até a votação do caso.

 

CONSELHOS

Colega de cela de José Dirceu, na Papuda, João Rodrigues conversou e até ouviu conselhos do petista. Dirceu e o empresário Luiz Estevão – também preso – o aconselharam a alegar a prescrição da pena.

PUBLICIDADE