12/01/2018 10h45 - Atualizado em 12/01/2018 10h37

Homem é preso e confessa ter matado professor indígena do Alto Vale no Ano Novo em SC

Segundo Polícia Civil, prisão ocorreu em Gaspar durante operação policial

PUBLICIDADE
G1 SC

G1 SC

PUBLICIDADE
Delta Ativa

O suspeito de matar Marcondes Namblá, de 38 anos, foi preso nesta sexta-feira (12) em Gaspar no Vale do Itajaí e confessou o crime, segundo a Polícia Civil. As agressões que levaram o professor indígena à morte ocorreram em Penha, no Litoral Norte.

 

Professor indígena morreu após ser espancado em Penha  (Foto: NSC TV/Reprodução )Professor indígena morreu após ser espancado em Penha  (Foto: NSC TV/Reprodução )

Professor indígena morreu após ser espancado em Penha (Foto: NSC TV/Reprodução )

 

Gilmar César de Lima é suspeito de espancar o indígena na madrugada de 1º de janeiro no Centro da cidade. As agressões provocaram a morte da vítima, no dia seguinte.

 

A prisão ocorreu durante uma operação da polícia da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Itajaí e Polícia Civil de Gaspar.

 

Ele teve a prisão preventiva decretada no dia 4 de janeiro. A polícia trabalha com a hipótese de que o espancamento do indígena tenha ocorrido por motivo fútil. “Ele [vítima] teria mexido com o cachorro dele [suspeito]. Não houve briga anterior”, disse o delegado Douglas Teixeira Barroco.

 

Namblá era do povo Laklãnõ-Xokleng, da Terra Indígena Laklãnõ, em José Boiteux e estava pela primeira vez em Penha para vender picolés e complementar a renda. Imagens de câmeras de monitoramento registraram o momento em que ele foi agredido por um homem que estava com um pedaço de madeira. O indígena foi atingido na cabeça, caiu e continuou a apanhar em seguida.

 

 

Professor formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ele ensinava crianças de tribos indígenas na mesma escola onde aprendeu a ler. O próximo objetivo dele era o mestrado. No ano passado, ele se tornou juiz das terras indígenas.

 

Protesto e cerimonia

 

Cerimônia religiosa e protesto contra morte de indígena ocorreu na tarde de quarta-feira (10) em Penha no mesmo local onde houve o homicídio (Foto: Fabiano Correia/NSC TV)Cerimônia religiosa e protesto contra morte de indígena ocorreu na tarde de quarta-feira (10) em Penha no mesmo local onde houve o homicídio (Foto: Fabiano Correia/NSC TV)

Cerimônia religiosa e protesto contra morte de indígena ocorreu na tarde de quarta-feira (10) em Penha no mesmo local onde houve o homicídio (Foto: Fabiano Correia/NSC TV)

 

Na quarta-feira (10), cerca de 200 indígenas do grupo Xokleng de José Boiteux participam de um protesto e cerimônia religiosa em Penha contra o assassinato. A cerimônia religiosa, feita na língua dos indígenas, durou cerca de uma hora. Depois da cerimônia, uma lança foi fincada no canteiro em memória de Marcondes e todos seguiram até a casa onde ele estava hospedado temporariamente em Penha, para vender picolés.

 

Investigação

Os indígenas não acreditam que a motivação do crime tenha sido fútil, como indica o inquérito da Polícia Civil, e pedem pra que a Polícia Federal e o Ministério Público Federal investiguem o crime.

 

Segundo a PF, a corporação só atua em casos de disputas de direitos das comunidades indígenas, como territórios, e como para a PF não há indício desse tipo de situação, a investigação cabe à Polícia Civil. O MPF afirmou que acompanha a investigação e que procedimentos que serão adotados estão em processo final de elaboração.

PUBLICIDADE