02/09/2019 09h02

Carnes ficarão 6% mais caras em SC devido ao aumento do ICMS

O presidente da Abrasel-SC, Raphael Dabdab, lamentou

PUBLICIDADE
Por Estela Benetti/NSC

Por Estela Benetti/NSC

PUBLICIDADE
Delta Ativa

A partir desta segunda-feira (2), restaurantes, lanchonetes, supermercados e outros estabelecimentos comerciais de Santa Catarina vão pagar 6% a mais pelas carnes de frango, bovino e suíno. Para o consumidor final, a alta ficará entre 8% e 9%, conforme o repasse de cada estabelecimento. A mudança de preço ocorre porque as empresas distribuidoras terão que repassar a alta do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) causada pelo corte de incentivos fiscais ao setor.

 

A alíquota do imposto passou de 7% para 12% no início de agosto, mas o setor estava negociando um ajuste para ficar em 7%, a exemplo de outros Estados, por isso a espera até 31 de agosto. Como o governador Carlos Moisés da Silva não cedeu e os deputados estaduais não derrubaram os aumentos, as empresas distribuidoras terão que repassar os custos sob pena de serem penalizadas.

 

A mensagem de que os preços serão reajustados foi passada por Whatspp por um distribuidor, que não se identificou.

 

— Pessoal! Depois de muita luta junto ao governo do Estado e a Assembleia, não alcançamos êxito em 100% dos nossos pleitos. Então a tabela terá que ser reajustada de acordo com a nova mecânica de arrecadação de ICMS do governo. Então, a linha de bovinos, suínos, aves e laticínios e mais alguns itens de embutidos terão reajuste de 6%. Vão perceber que a tabela terá 6% de reajuste em tudo. Não é um aumento de preço nosso, nem da indústria. É um aumento de tributo que está sendo repassado conforme orientação da própria Secretaria da Fazenda – disse o empresário.

 

O acordo sobre a mudança de preço foi acertado entre todos os distribuidores atacadistas e também os pequenos frigoríficos do Estado na noite desta sexta-feira. O representante também afirmou que, se as empresas não repassarem os aumentos, correm o risco de serem autuadas.

 

— A gente vai continuar brigando, mas, por hora, fomos voto vencido – finalizou ele.

 

O presidente da Abrasel-SC, Raphael Dabdab, lamentou que, infelizmente, os deputados não foram sensíveis à questão do aumento do custo de vida. Por isso o mercado está atualizando as tabelas de preços com a nova carga tributária.

PUBLICIDADE