13/09/2018 17h00 - Atualizado em 13/09/2018 16h30

Alta no preço do asfalto afeta duplicação da BR-470

Em um ano o preço aumentou 60% de acordo com quem trabalha no ramo

PUBLICIDADE
Blog do Pancho - NSC

Blog do Pancho - NSC

PUBLICIDADE
Delta Ativa

O aumento do preço nos derivados de petróleo — que o blumenauense tão bem sentiu ao abastecer os veículos na semana passada — chegou também às obras de infraestrutura, em especial as que estão sendo executadas em rodovias. Na duplicação da BR-470, por exemplo, há algum tempo não há pavimentação propriamente dita por causa do aumento do preço do asfalto.

 

Em um ano o preço aumentou 60% de acordo com quem trabalha no ramo. A tonelada passou de R$ 1,7 mil para R$ 2,7 mil. O problema é que o índice de reajuste no DNIT não chega nem perto do aumento no mercado. Segundo prestadores de serviço na BR-470 o preço pago pelo órgão do governo federal às empreiteiras aumentou apenas 20% no mesmo período.

 

O superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), Ronaldo Carioni Barbosa, explica que a diferença nos preços surgiu devido à mudança de política de preços da Petrobras. O asfalto sofre aumentos mensais, enquanto o reajuste para os pagamentos do DNIT às empreiteiras é anual.

 

Carioni diz que conseguiu antecipar o reajuste para a empresa que atua no lote 1 para novembro. Com isso ela deve retomar a colocação de asfalto no próximo mês. Já no lote 2, segundo o superintendente, a empresa retomará o serviço porque teria mais prejuízo com a equipe parada.

PUBLICIDADE