22/10/2019 12h30 - Atualizado em 22/10/2019 08h56

Líder do time, mas contestado pela torcida: Ganso vive momento turbulento no Fluminense

Com números modestos, camisa 10 vira foco de cobranças de torcedores

PUBLICIDADE
Globo Esporte

Globo Esporte

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Estrela do time, Paulo Henrique Ganso vive o pior momento com a camisa do Fluminense. No último domingo, na derrota para o Flamengo, o meia foi vaiado pelo segundo jogo seguido pela torcida, o que expôs o ambiente de frustração dos tricolores com o principal reforço do clube para a temporada.

 

Contratado no fim de janeiro, o camisa 10 virou esperança do torcedor por dias melhores. Ganso foi visto com expectativa pelo talento e pela experiência de quem passou pela seleção brasileira. Em campo, o meia ainda não se tornou o herói que o torcedor esperava.

 

 

Pouco poder de decisão

No 2 a 0 para o Flamengo, Ganso fez o jogo de número 40 pelo Fluminense. O camisa 10 marcou cinco gols e deu uma assistências desde o início da temporada. A média é de uma bola na rede a cada 713 minutos – ou oito partidas. Os números são do Espião Estatístico do GloboEsporte.com.

 

Contra o Fla, Ganso fez outra partida apagada — Foto: Lucas Merçon/Fluminense FCContra o Fla, Ganso fez outra partida apagada — Foto: Lucas Merçon/Fluminense FC

Contra o Fla, Ganso fez outra partida apagada — Foto: Lucas Merçon/Fluminense FC

 

O momento delicado passa pela quebra de expectativa dos tricolores. Ou pela esperança de ver um Ganso que apareceu para o futebol brasileiro há 10 anos. Desde então, o meia passou por outros três clubes e fez funções diferente. De camisa 10, virou mais armador e até volante em algumas ocasiões. No próprio Fluminense, ele aparece bastante no campo de defesa e joga atrás de outro meia mais ofensivo, Nenê.

 

Por isso, o jogador protestou contra a pecha de que corre pouco ou é frouxo na marcação. Em entrevista ao Esporte Espetacular, lembrou das obrigações defensivas e do número de roubadas de bola, que está entre as melhores do time. O meia desarmou mais do que alguns companheiros de defesa, como Digão e Frazan.

 
 

Liderança e respeito do grupo

Se o rendimento não é o espero, Ganso assumiu o papel de líder do Fluminense. Pelo peso do nome, o jogador já era visto como referência pelas arquibancadas. Dentro do elenco, o meia é respeitado pela liderança não só técnica. Na ausência de Digão, desfila com a braçadeira de capitão do time. No entanto, episódios recentes mancharam a imagem do atleta, ao menos dos portões do clube para fora.

 

O principal deles, é claro, foi a briga com Oswaldo de Oliveira no jogo entre Fluminense e Santos. Pela insatisfação com o treinador, boa parte da torcida deu razão a Ganso no primeiro momento, mas a paciência com o meia diminuiu nos duelos seguintes. Outro incidente que não pegou bem foi a discussão com João Pedro no confronto diante do Cruzeiro.

 

Parte da torcida contesta Ganso e Nenê juntos no time — Foto: André DurãoParte da torcida contesta Ganso e Nenê juntos no time — Foto: André Durão

Parte da torcida contesta Ganso e Nenê juntos no time — Foto: André Durão

 

O momento ruim faz a titularidade do meia ser contestada. Nas redes sociais, tricolores debatem se o time deve continuar com o camisa 10 ao lado de Nenê. O técnico Marcão, no entanto, tentou acalmar os ânimos.

 

– Nenê e Ganso são grandes jogadores e vão nos ajudar, mas em algum momento vão sair. Ninguém gosta, mas temos que pensar na equipe. É uma coisa normal. Temos que pensar sempre na equipe, no melhor para a equipe. Eles entendem. Na hora, com cabeça quente, faz parte. Depois, com calma, a gente conversa tranquilo – disse após a derrota para o Flamengo.

 

Com duas derrotas seguidas, o Fluminense voltou a ficar perto da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro: é o 16º, com 29 pontos, um a mais do que o Cruzeiro, o primeiro integrante do Z-4. No próximo sábado, o Tricolor tem duelo direto com a Chapecoense, às 19h30 (de Brasília), no Maracanã, pela 28ª rodada. O elenco começa a preparação para a partida na manhã desta terça-feira, no CT Carlos Castilho.

PUBLICIDADE