31/07/2019 08h59

Com saída de Pará, Flamengo dá adeus ao último membro do ‘Bonde da Stella’

Aos 33 anos, completou mais de duzentos jogos com a camisa do Flamengo

PUBLICIDADE
Extra

Extra

PUBLICIDADE
Delta Ativa

A liberação do Flamengo para que Pará seja o novo jogador do Santos não dá fim apenas a passagem do lateral-direito pelo rubro-negro, mas também extingue o último remanescente de um episódio polêmico vivido pelo clube em 2015: o ‘Bonde da Stella’.

 

Na época, o Flamengo vinha de seis derrotas nos últimos sete jogos e estava à beira de ser eliminado na primeira fase da Libertadores. Em meio a crise, um foto com os atletas Alan Patrick, Everton, Marcelo Cirino, Paulinho e Pará – além de Anderson Pico, que já havia deixado o clube – ingerindo bebidas alcoólicas em uma festa viralizou e o grupo passou a ser ironicamente chamado de ‘Bonde da Stella’ pela torcida.

 

O caso gerou protesto nas arquibancadas e até pichações foram feitas nos muros da Gávea. O quinteto alegou que se tratava de “confraternização normal”, mas o Flamengo decidiu pelo afastamento de todos os envolvidos. Desde então, um por um foi deixando o clube – com Pará fechando a última porta.

 

O primeiro foi Alan Patrick, que estava emprestado pelo Shakhtar Donestk (UCR) e não teve o seu vínculo renovado, seguido do empréstimo de Paulinho ao Santos no final daquela temporada. Marcelo Cirino seguiu até 2016, mas foi emprestado ao Internacional ainda durante o Campeonato Estadual.

 

Everton foi o único que não deixou o clube em litígio, indo para o São Paulo no meio de 2018 após os paulistas pagarem a sua multa rescisória. Vale lembrar que o Flamengo desejava a sua permanência e ofereceu um aumento salarial.

 

Por fim, Pará não teria o seu contrato renovado no final deste ano e um acordo foi feito com o Santos para a sua saída. O lateral-direito foi contratado em 2015 junto ao Grêmio, a pedido do então técnico Vanderlei Luxemburgo. Aos 33 anos, completou mais de duzentos jogos com a camisa do Flamengo.

PUBLICIDADE