08/10/2019 10h06

Camisa 10 e até lateral na base, Matheus conta surpresa na Seleção

“Tenho que aproveitar e desfrutar”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Delta Ativa

Caçula da seleção brasileira ao lado de Renan Lodi – os dois com 21 anos -, Matheus Henrique abriu o sorriso e contou curiosidade sobre a convocação. Ele recebeu a notícia de Maicon no meio do treino do Grêmio e achou que era brincadeira.

 

 

– Ele é cheio de palhaçada (risos). Mas depois o Renato (técnico) me falou e eu vi que era verdade – contou ele, revelando, com sinceridade, que achava que estava era na lista de Jardine, não a de Tite.

 

 

– A convocação foi no mesmo dia da olímpica, então achei que era para a sub-23. Agora tenho que aproveitar e desfrutar.

 

 

Um dos oito convocados que atua no futebol brasileiro, Matheus, que também é chamado de Matheusinho, é nascido em São Paulo e foi revelado pelo São Caetano. Ele foi para o Grêmio ainda com idade de juvenil, mas foi dispensado. Depois de se destacar na Copa São Paulo de Juniores – curiosamente num meio de campo ao lado de Nonato, hoje do Internacional -, ele foi contratado novamente para o Grêmio.

 

 

Na base, ele chegou a atuar improvisado como lateral-direito, mas era mesmo meia-atacante. Matheus recuou ainda no início da retomada pelo Grêmio. Manteve no estilo de jogo a disposição ofensiva e a técnica para chegar no ataque.

 

 

– Sempre joguei mais avançado antes do profissional. Jogava de 10, de 8. Ali, na primeira passagem pelo Grêmio, joguei de lateral até, mas no improviso, não fui a fundo na posição. No retorno em 2017, virei volante de vez. Acho que a gente tem sempre que se atualizar, melhorar na função. Até porque a posição de meio de campo é bem intensa. Acho que eu preciso aprimorar ali a marcação, o fechamento de espaços. Sou novo, então ainda posso aprender bastante – destacou.

PUBLICIDADE