16/07/2019 08h51

Botafogo segue sem previsão para quitar atrasados, mas garante que não chegarão a três meses

Há preocupação de que jogadores procurem a Justiça caso clube não consiga solucionar dívidas

PUBLICIDADE
Globo Esporte

Globo Esporte

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Ainda sem previsão para pagar os salários dos jogadores, o Conselho Diretor do Botafogo, como de costume, se reuniu na noite desta segunda-feira e houve o entendimento de que o clube não vai deixar os atrasos alcançarem três meses.

 

Os atletas alvinegros não dão entrevistas desde 3 de julho em protesto aos dois meses, premiações e direitos de imagem em aberto. O clube teme que, caso se chegue a três meses de salários atrasados, jogadores procurem a Justiça a fim de se desvincularem de forma unilateral.

 

Não há recursos previstos para entrarem nos cofres do Botafogo nos próximos dias. Mesmo assim, internamente, os dirigentes mantêm o discurso de otimismo e buscam uma solução imediata para evitar consequências piores.

 

– No Botafogo é sempre assim. No momento crucial sempre conseguimos contornar as dificuldades – disse uma figura do clube.

 

 

Elenco do Botafogo se dedica aos treinos, mas está impaciente com falta de prazos — Foto: Vitor Silva / SSpress / BotafogoElenco do Botafogo se dedica aos treinos, mas está impaciente com falta de prazos — Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo

Elenco do Botafogo se dedica aos treinos, mas está impaciente com falta de prazos — Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo

 

Recursos

Até o momento, o Alvinegro arrecadou cerca de R$ 34 milhões com venda de atletas: R$ 15 milhões por 75% dos direitos econômicos de Matheus Fernandes, R$ 13 milhões por 70% de Igor Rabello, R$ 3 milhões por 40% de Leandro Carvalho e R$ 2,5 milhões por 70% de Glauber.

 

Desse montante, apenas parte do valor de Matheus Fernandes, negociado com o Palmeiras, não foi recebido: o Alviverde ainda pagará duas parcelas ao Botafogo, o que deve acontecer só no fim do ano. Quanto às outras negociações, os valores já foram recebidos e gastos.

 

Devido a um adiantamento junto à Globo o Botafogo teve que renunciar ao pagamento mínimo do Pay Per View. Com isso, perdeu uma receita mensal de aproximadamente R$ 3,3 milhões desde janeiro de 2019. O clube espera voltar a receber esses pagamentos a partir de agosto, o que deverá amenizar a crise.

 

Há ainda um valor a ser recebido referente ao patrocínio da Caixa – cerca de R$ 3 milhões. Para isso, o Botafogo precisa reconquistar as CNDs (certidões negativas de débito), o que acontecerá só após pagar uma parcela em torno de R$ 1 milhão – recentemente, o clube conseguiu a possibilidade de parcelar as dívidas atuais com a União.

PUBLICIDADE