18/11/2019 05h30 - Atualizado em 18/11/2019 09h32

Adílson pede desculpas à torcida após derrota para a Chapecoense: “Faltou atitude”

Técnico comentou ainda que a equipe precisa reagir o mais rápido possível

PUBLICIDADE
Globo Esporte

Globo Esporte

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Com início de jogo movimentado e equilibrado, o Ceará impôs seu ritmo e dominou o primeiro tempo diante da Chapecoense na Arena Condá. Mesmo assim, o Vovô foi para o intervalo no 0 a 0. Na volta do intervalo, Chico chegou a abrir o placar, mas a jogada foi anulada pela arbitragem por impedimento de Bergson. No fim da partida, o técnico Adílson Batista, que chegou a comentar durante a semana que esperava ao menos um ponto“, falou sobre a derrota por 1 a 0.

 

– A gente chegou pelos lados com o Felipe Silva, com o Samuel, com o João Lucas… Tivemos infiltração com o Ricardinho, mas não fomos felizes. Foi abaixo daquilo que se esperava, principalmente em atitude em um momento tão difícil e importante como esse. Lamento, peço desculpas ao torcedor e compreensão nessa reta final – afirma.

Após o resultado negativo, Adílson mirou o próximo adversário, o São Paulo. As equipes se enfrentarão no próximo domingo (24), às 19h no Castelão.

 

– Futebol não se ganha na hora que você quer. Tem que ter imposição, um pouquinho mais de atitude. Faltou isso para nós. Estamos chateados, a responsabilidade é toda nossa! Nós precisamos trabalhar bem na semana para reagir o mais rápido possível. Não pontuamos contra Fortaleza e Chapecoense. Sabíamos da importância de vencer este jogo pelo resultado do Fluminense ontem. Muita atenção durante a semana para fazer um grande jogo (contra o São Paulo).

 

Com o resultado, o Ceará se mantém na 15º colocação na tabela com 36 pontos e não tem chances de entrar na zona de rebaixamento nesta rodada, já que o Fluminense, primeiro time na zona do rebaixamento, empatou nesse sábado em 1 a 1 com o Atlético-MG no último sábado.

 

Confira outros pontos da entrevista coletiva

Sobre a oscilação do time durante a partida

– Volume de jogo, controle do jogo, posse de bola, criações de jogadas… foram nossos. Eles estiveram mais na situação de contra-ataque, mesmo jogando em casa. Não se faz o gol na hora que quer. A gente trabalha, constrói no último terço, aí é com eles (jogadores) hoje, não saiu da forma que imaginávamos. Pecamos nesse quesito, mas tivemos o processo de construção, que era importante. Faltou atitude, faltou caprichar no ultimo passe, no cruzamento. São detalhes do futebol que as vezes você acaba pagando um preço. A gente fica triste.

 

Gol sofrido:

– Foi um lance de bola parada, ela foi rebatida. Saímos, faltou encurtar não só o zagueiro, é uma sequência da jogada. Agora não é hora de apontar (os erros) e sim mobilizar e pedir o apoio do torcedor. Estamos fora da zona, mas está todo mundo embolado. A importância deles nos ajudarem para que os atletas tenham forças, apoio e tranquilidade o suficiente para fazermos o dever dentro de casa e conquistarmos nosso objetivo.

 

Perder duas substituições:

– Faz parte. O Luiz (Otávio) esteve com dor. O Tiago (Alves) também sofreu uma pancada. Coloquei o Felipe Silva por dentro e depois o Chico pediu para sair. Como estávamos perdendo o jogo queria ter dois na frente. Na realidade eu queria vencer o jogo, estava 0 a 0 quando eu coloquei o Felippe Cardoso para trabalhar pelos lados. A gente chegou pelos lados o Felipe Silva, com o Samuel, com o João Lucas, tivemos infiltração com o Ricardinho, mas não fomos felizes. Foi abaixo daquilo que se esperava, principalmente em atitude num momento tão difícil e importante como esse. Lamento, peço desculpas ao torcedor e compreensão nessa reta final.

 

Se recuperar dentro de casa:

– Isso a gente viu ano passado, quando estava lá embaixo e ninguém acreditava e fez um belíssima recuperação. Foi fruto de trabalho, de trabalho de união em conjunto com o torcedor e é isso que eu peço agora. Nós somos os responsáveis por esse resultado, mas precisamos de apoio e mobilização e isso já começa domingo contra o São Paulo.

PUBLICIDADE