06/12/2018 15h10 - Atualizado em 06/12/2018 14h09

Morador de rua emociona ao ser clicado comendo em restaurante de luxo em Belo Horizonte

Homem almoçou em bistrô fino

PUBLICIDADE
Yahoo!

Yahoo!

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Uma cena comovente ocorrida em um bistrô em Belo Horizonte está mostrando que ainda é possível acreditar na humanidade. O post feito por Daniela Lage Mejia Zapata no Facebook mostra o momento em que um morador de rua aproveita sua refeição no Benvindo, localizado no bairro de Lourdes.

 

“Estávamos almoçando quando, de repente, este senhor entra no restaurante com uma nota de $50,00 na mão informando ao garçom que queria comer. O garçom, então, lhe indicou a mesa e perguntou o que ele queria. Vinho e um prato de massa, além de uma entrada de bacalhau. Estava feliz. Aquele momento era seu, aquele lugar lhe cabia”, diz Daniela em parte do texto.

 

Em entrevista ao BHAZ, ela conta que ficou atenta para conferir se nenhum direito do homem em questão seria violado, já que ela e as amigas são professoras de Direito. “Depois, percebemos que ele começou a ser atendido e que um garçom ofereceu uma mesa, como faz com todo mundo. Foi aí que bateu aquela sensação de alegria e felicidade”.

 

Nenhum dos clientes se mostrou contra a presença do homem e ao fim de seu almoço, a conta entregue mostrava um valor menor do que ele havia consumido. “Vimos que o homem insistia que a conta deveria ter dado mais, mas o restaurante cobrou muito menos. Foi uma atitude muito bonita, digna de elogios”, afirma Daniela.

 

Paulo Abreu, gerente do bistrô, afirmou que a quantia cobrada foi simbólica e que seria um crime recusar a presença do homem no estabelecimento. “Ele foi tratado com mais exclusividade do que qualquer outra pessoa. Cheguei a perguntar se a presença dele incomodava outras pessoas, infelizmente ainda é uma realidade. Se fosse o caso, eu o levaria lá para dentro para comer. A gente é humano, não podemos desprezar ninguém. Eu gostaria que esse olhar empático fosse algo natural. A gente fica satisfeito em fazer o bem”, afirma Paulo, que trabalha no Benvindo há cinco anos.

 

Não se tem nenhuma informação sobre o morador de rua e ele não foi mais visto após deixar o restaurante. O nome do local não poderia ser melhor e realmente toda e qualquer pessoa certamente será “Benvinda”.

PUBLICIDADE