16/04/2018 08h00 - Atualizado em 16/04/2018 06h50

Cerca de 28,9% das pessoas afetadas pela tragédia de Mariana estão em depressão

PUBLICIDADE
Minha Vida

Minha Vida

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais sobre a saúde mental dos moradores de Mariana, atingida pelo rompimento da barragem em novembro de 2015, descobriu que 30% dos afetados pelo vazamento sofrem com depressão. A publicação é da Agência Brasil.

 

De acordo com a publicação foi diagnosticado em 32% dos entrevistados um quadro de transtorno de ansiedade generalizada, o que mostra uma prevalência três vezes maior que do que a população brasileira.

 

Os entrevistados alegaram não apenas sintomas de transtorno de ansiedade generalizada, mas também episódios de estresse pós-traumático, risco de suicídio e transtornos relacionados ao uso de substâncias psicotrópicas, como álcool, tabaco, maconha, crack e cocaína.

 

As estatísticas chocam e entristecem. Para se ter uma ideia, o risco de suicídio foi encontrado em cerca de 16,4% dos entrevistados, que alegaram que ter desejo de morte, ideias suicidas, ou que afirmaram que planejaram cometer suicídio no último mês ou reconheceram já ter tentado alguma vez colocar fim à própria vida.

 

As crianças também foram afetadas emocionalmente. Segundo o estudo, o público infantil apresentou critérios para transtorno de estresse pós-traumático, superior a 82%.

 

O relatório elaborado mostra que o adoecimento da população tem relação com o estresse e os processos de sofrimento social que as famílias têm vivenciado. Os pesquisadores afirma que as preocupações com indenização, a perda de emprego, ruptura de laços sociais, juntamente com as doenças físicas e crônicas podem levar a um diagnóstico de depressão em populações afetadas por desastres.

 

A expectativa dos pesquisadores é que os dados possam incentivar uma discussão sobre políticas públicas e planejamento em saúde, bem como permitir uma melhor orientação e alocação de recursos e estabelecer programas adaptados à realidade atual da população. Também foi sinalizado a importância de planos de ação em casos de tragédia para minimizar os transtornos vinculados à saúde mental.

 

Fundação Renova

 

Em nota, a Fundação Renova, instituição criada como um acordo entre as mineradoras e governos com o intuito de gerir as ações de reparação da tragédia disse qe está desenvolvendo pesquisas sobre a saúde mental dos atingidos. No comunicado a fundação afirma que não tem poupado esforços para garantir acesso aos cuidados com saúde aos atingidos.

 

A tragédia de Mariana provocou vazamento de aproximadamente 39 milhões de metros cúbicos de rejeitos, que causaram devastação da vegetação nativa e poluição de afluentes e do Rio Doce, chegando até sua foz no Espírito Santo. Dezenove pessoas morreram e comunidades foram destruídas. Os distritos de Bento rodrigues e Paracatu, ambos em Mariana, foram arrastados pela lama. O episódio é considerado a maior tragédia ambiental do Brasil.

PUBLICIDADE