19/05/2017 16h10 - Atualizado em 19/05/2017 14h11

Aprenda a criar limites saudáveis para si mesmo

Danielle LaPorte, autora do livro White Hot Truth, escreve sobre estabelecer limites saudáveis

PUBLICIDADE
Yahoo

Yahoo

PUBLICIDADE
Delta Ativa

O dia que mandei um SMS para um ex companheiro dizendo “Por favor, fique longe da minha propriedade”, minhas mãos estavam tremendo. Mas eu sabia que era um grande salto em direção à autoestima. E à sanidade. E ao autocontrole. Definir limites é um desafio para a maioria das pessoas. Isso é especialmente difícil para mulheres que estão tentando viver vidas holísticas (ser gentil com as pessoas, praticar o perdão, usar batons cuja fabricação não agrida o meio ambiente, fazer ioga, manter a positividade, essas coisas).

 

Em alguns momentos da vida, criar limites pode ser a tarefa de aprimoramento interior mais complicada que você já foi forçada a fazer. Você pode acabar tendo que se preocupar com ser cortada de um testamento, ser impedida de realizar um grande sonho ou mesmo ser caluniada pelas pessoas que ficaram de fora das suas novas fronteiras. Você vai cansar de ouvir frases que começam com “Eu sabia!!!”. “Eu sabia que você era uma pessoa fria. Sabia que você não era confiável. Sabia que você era capaz de algo desse tipo”. Como resposta, você precisará dizer “Sim. Eu sou capaz disso tudo – esse posicionamento radical é chamado de ter padrões”.

 

Criar limites de maneira saudável, requer um pouco de prática. Há uma diferença entre criar alguns limites inteligentes para as pessoas em sua vida e se tornar um tipo ‘guerreira defensiva passiva agressiva’, em troca de conseguir algum respeito. Limites não são como barreiras entre você e outras pessoas. Limites servem para impedir ofensas e comportamentos indevidos. Enquanto os limites são uma reação proativa à uma ofensa, as barreiras são uma reação intensa de defesa.

 

Pense dessa forma: Limites são como um muro com um portão – a energia pode ir e vir e você tem espaço para passear com liberdade e privacidade atrás da barreira. Seu muro pode ser uma cerca de madeira pintada de branco ou algo mais… elétrico. O muro é seu. A ideia é que você se sinta mais segura e mais calma.

 

Barreiras são como um escudo pesado, que você precisa carregar para todos os cantos, sempre erguido para se defender de ataques, mas deixando partes suas desprotegidas. Não é algo muito pacífico. Ficar em alerta o tempo todo é um convite à ansiedade. Você acaba dividindo toda a sua energia entre esperar pelo próximo ataque e torcer para que ele não aconteça. Não dá para relaxar um segundo. Você precisa se manter focada em tudo que está tentando proteger o tempo todo.

 

Criar limites demanda alguma prática. Você pode acabar exagerando antes de pegar o jeito. Você pode colocar fechaduras pesadas nas portas e comprar um cão de guarda, quando tudo que realmente precisava ser feito era dizer “Preciso cancelar nosso almoço hoje”. Você pode acabar saindo do grupo quando bastava somente participar das reuniões via Skype em vez de precisar fazer longas viagens para isso. Na primeira tentativa, os limites estabelecidos também podem ser mais frágeis do que você gostaria. Quando isso acontece, você pode perceber subitamente que está no limite e precisa esvaziar sua agenda por seis meses. E comprar um cão de guarda.

 

Observe o seguinte: Seus limites podem acabar magoando as pessoas. Você pode acabar ofendendo alguém. Você pode até mesmo partir o coração de alguém ou ter seu coração partido por essa pessoa. Você certamente irá criar desarmonia, o que vai contra essas ideias New Age em geral. Mas quando há pessoas tirando vantagem de você, quando há um descompasso entre suas ações e palavras, quando você se permite ser chamada de coisas que não condizem com a realidade, é como se estivesse desrespeitando sua verdade interior. E essa é a derradeira desarmonia. Nada verdadeiramente bom pode vir disso.

 

São os limites que protegem seu bem-estar e alegria, permitindo que você ofereça paciência e compreensão apenas quando achar que deve. Quando decidir estar presente para alguém, você estará realmente presente, você não estará emocionalmente fechada, distante. Seus sentimentos se tornarão mais claros. Quando você respeita seu tempo, ouve o que o seu corpo diz e cria espaço para a paz na sua vida, você está em harmonia com a sua alma.

 

Você quer ser gentil, amorosa e harmoniosa? Claro que sim. Então respeite seus ideais. Olhe para si mesma. Eleve os seus padrões para o amor e o universo fará o resto.

PUBLICIDADE