08/11/2018 13h50

6 frases que você deveria tirar do seu dia (e como substituí-las)

Tratar a si mesmo com gentileza é um processo que inicia-se com as palavras que escolhemos para nos retratar

PUBLICIDADE
Portal Minha Vida

Portal Minha Vida

PUBLICIDADE
Delta Ativa

As experiências que temos nos moldam. Entre muitos momentos gratificantes, também existem aqueles que põe à prova a força que temos. Não são raras as vezes que não conseguimos manter o otimismo e a esperança dentro de nós. Quando isso acontece, acabamos alimentando um fluxo de pensamentos negativos que distorcem nossa realidade.

 

 

Entretanto, há maneiras de evitar cair em uma lógica autodestrutiva. Cultivando o autocuidado e sendo mais gentil consigo mesmo, é possível encontrar a positividade em situações adversas. E tudo começa com as palavras que utilizamos no dia a dia.

 

Veja a seguir seis frases que você deveria tirar do seu dia a dia e como substituí-las:

 

1. “Eu sou um(a) idiota”

Substitua por: “Eu não estou compreendendo isto agora”

 

 

Provavelmente você já se sentiu incapaz por não ter conseguido realizar algo da melhor maneira possível. E neste momento, acabamos nos cobrando de forma injusta, nos auto depreciando. Entretanto, segundo a psicóloga Vanessa Moreira, nós só aprendemos com um erro ao passar por ele.

 

 

“Em alguns momentos, é necessário que passemos por uma situação negativa mais de uma vez, para ter a compreensão de diferentes ângulos e assim entender a história”, afirma a especialista. Para Vanessa, a maturidade vem com erros e acertos. Devemos sempre respeitar nosso próprio ritmo.

 

 

2. “Eu deveria estar fazendo isso agora”.

Substitua por: “Eu poderia estar realizando uma obrigação agora, mas estou escolhendo fazer outra coisa no lugar”.

 

Há momentos em que estamos repletos de obrigações. E por esse motivo, acreditamos que não devemos nos divertir ou apenas relaxar. Este é um pensamento que pode nos levar a exaustão. Para a psicóloga Lia Clerot, é necessário entender que temos limitações, e que nem sempre estamos em um dia bom.

 

Vanessa recomenda fazer uma avaliação sobre nossas tarefas: “O seu número de afazeres pode estar incompatível com seu espaço de tempo, ou então você pode estar deixando para depois o que é importante para você”, explica.

 

 

De qualquer forma, quando não encontramos energia para fazer o que precisamos, é necessário nutrir o nosso lado emocional com positividade. Montar um cronograma com nossas tarefas também pode nos ajudar a saber se conseguiremos ou não realizar algo, sem nos cobrar.

 

Vanessa afirma que o importante é ser honesto com si mesmo. “Não ter vontade para executar nossa rotina é normal. Isso não significa que você não irá fazer nada”, diz. Para a especialista, o que podemos fazer para reverter o quadro, caso este provoque angústia, é nos permitir realizar as tarefas mesmo sem vontade, já que não precisamos estar animados sempre.

 

3. “É tudo minha culpa”.

Substitua por: “Eu tenho culpa apenas pelos meus atos nessa situação e irei fazer o possível para melhorar”.

 

Para Vanessa, os erros são grandes sinalizadores de mudanças. Analisá-los, aprender com eles e ajustar nossas atitudes para que não cometamos futuros equívocos é extremamente produtivo.

 

Entretanto, quando a culpa se torna apenas uma forma de autopunição, nós não amadurecemos. “Isto faz com que fiquemos parados no tempo, apenas alimentando arrependimentos”, explica a psicóloga.

 

 

É necessário seguir em frente, tendo em mente que merecemos viver uma vida leve. “A culpa constante diminui a autoestima e nos transforma em pessoas tristes, que acreditam não ter valor”, afirma Vanessa.

 

4. “Eu nunca deveria ter feito isso”.

Substitua por: “Eu poderia ter feito de forma diferente”.

 

O arrependimento nos mantém no passado, e nos impossibilita de seguir em frente. Para Vanessa, aceitar nossas ações, sejam boas ou ruins, é o maior presente que podemos nos dar.

 

 

“A sua vida é o seu bem mais importante. Aceitar a si mesmo e suas ações faz com que você se permita ter novas escolhas, buscando ser sua melhor versão todos os dias”, afirma a especialista.

 

5. “O que as pessoas irão pensar de mim?”

Substitua por: “O que as pessoas pensam ou fazem diz respeito a elas. Atitudes externas não me definem”.

 

É comum precisar de validação externa em algum ponto de nossas vidas. Entretanto, não devemos construir uma vida que dependa de aprovação alheia. Ao fazermos isso, vivemos a vida por todos, menos por nós mesmos.

 

Para Vanessa, devemos levar em consideração críticas que nos façam crescer e que potencializem nosso desenvolvimento pessoal. Lia Clerot também indica que, para conquistar essa confiança, busque autoconhecimento.

 

Reconheça suas qualidades e saiba do que você é capaz. Dessa forma, é possível refletir de forma justa e assertiva sobre as opiniões que as pessoas carregam de nós mesmos.

 

 

6. “Eu deveria ser como as outras pessoas”.

Substitua por: “As pessoas são muito boas e há espaço para todos nós sermos bons”.

 

Comparar-se com outras pessoas é natural. Entretanto, isto não deve ser uma fonte de sofrimento. “Ao invés de se diminuir, você pode reconhecer o talento do próximo, buscando inspirações para realizar feitos incríveis a partir do exemplo do outro”, explica Vanessa.

PUBLICIDADE